Guia metodologicamente incorreto

Apenas recentemente tomei conhecimento da polêmica envolvendo a série Guia Politicamente Incorreto, do canal History.

RIO – Historiadores e escritores acusaram o canal History de incluir, sem o seu consentimento, trechos de entrevistas feitas com eles para o programa “Guia politicamente incorreto da História do Brasil”, cujo primeiro episódio foi ao ar neste sábado.

Lira Neto, Lilia Schwarcz e Laurentino Gomes afirmam ter sido entrevistados por uma produtora contratada pelo canal sem serem informados de que as declarações seriam utilizadas no programa em questão.

Lira Neto foi um dos que mais reclamaram publicamente sobre o ocorrido e chegou a abordar o assunto em sua coluna na Folha:

Estupefato, na semana passada, fiquei sabendo que minha fala seria incluída, de modo ardiloso, em uma série intitulada “Guia Politicamente Incorreto”, baseada nos livros do jornalista Leandro Narloch. Se tivesse sido informado disso previamente, não teria concedido a entrevista.

Considero tais livros um desserviço ao público jovem, alvo prioritário deles. São simplórios na argumentação, falaciosos na utilização das fontes, pródigos em promover estereótipos e sedimentar preconceitos contra minorias historicamente marginalizadas.

Imediatamente, tratei de exigir explicações dos responsáveis. Após apelar para o cinismo e tentar dizer que tudo não passara de um “mal-entendido”, o diretor foi desmascarado pelos fatos. Outros entrevistados, como as historiadoras Lilia Schwarcz, Isabel Lustosa e Mary Del Priore, assim como o jornalista Laurentino Gomes, revelaram que tinham sido vítimas da mesma armadilha. […]

O próprio Narloch sentiu-se compelido a vir a público, pelas redes sociais, para dizer que estava “frustrado” com a história. Afirmou não saber que havíamos sido enganados. Concordava com o pedido dos atingidos para que fossem retiradas as respectivas entrevistas do programa. Contudo, alegou, tudo havia sido feito em nome de promover “um debate elegante sobre temas delicados”.

Quem assistiu aos primeiros episódios constatou que não há elegância ou debate naquilo. A presença e o nome de pesquisadores sérios estão sendo utilizados, na edição, apenas para legitimar e corroborar uma narrativa tendenciosa, “politicamente incorreta”. Por si só, a palavra “guia”, do título, não deixa margem para dúvidas: sugere condução, viés, predefinição de rumo.

Reinaldo José Lopes, que já trabalhou com Leandro Narloch (autor do Guia Politicamente Incorreto da História do Brasil) e foi entrevistado para a série, falou sobre a polêmica em seu blog e em sua coluna (o trecho abaixo é retirado desta):

O problema central da série é que, embora a proposta declarada seja desmontar clichês e visões ideologicamente motivadas de figuras da nossa história, o que de fato ocorre é substituir um clichê por outro. […]

Como talvez o leitor saiba, dá para contar uma mentira imensa contando apenas verdades –ou pedacinhos dessas verdades.

Gostei especialmente dos textos de Lira Neto e José Lopes porque eles incluem boas críticas ao livro de Narloch e à série nele baseada.

O grande problema desse tipo de obra não são suas conclusões em si, mas a metodologia adotada para chegar a elas. O fato de a tese ser “politicamente incorreta” ou “politicamente correta” é o de menos. O importante é a qualidade da pesquisa – que, nesse tipo de trabalho, costuma ser muito baixa.

Não me refiro a livros de história escritos por não historiadores – afinal, não é necessário ser historiador para escrever bons livros de história. Minha crítica é direcionada a certas obras de não ficção simplistas e sensacionalistas, com título provocativo (e geralmente meio bobo). Uma estratégia comum de seus autores é defender teses polêmicas usando argumentação fraca, baseada em evidências ou interpretações de pouca relevância.

E Narloch “adora uma evidência anedótica – ou seja, ‘causos’, histórias individuais sobre uma situação específica”, diz José Lopes, antes de completar: “Causos são legais, mas quando a gente está falando de história, é preciso deixar muito claro se eles são representativos ou não.”

Para piorar, quando autores dessas obras são alvo de críticas, eles frequentemente tentam desqualificá-las sem rebater seus argumentos, como mostra texto de Juliana Sayuri:

A respeito das críticas de Lira Neto, Narloch afirmou à Folha que as considera personalistas e motivadas mais por divergência política do que pelas informações da série ou do livro.

Respostas assim deveriam deixar claro que o criticado se considera incapaz de responder devidamente aos argumentos da crítica. Infelizmente, não é isso o que ocorre.

Como já nos mostrou Paulo Maluf (entre tantos outros políticos), responder a uma crítica sem rebater seus argumentos é uma tática de retórica que funciona bem. E os fãs de autores como Narloch são mais uma amostra disso.


Para finalizar, um comentário sobre a cobertura da mídia. Uma leitura rápida das matérias sobre o caso pode dar a impressão de que se tratou de mais uma batalha em uma eterna guerra entre historiadores e jornalistas ou algo assim. Títulos usados pelos veículos contribuem para isso.

Mas, como é evidente, as reclamações não vieram apenas de historiadores. Lira Neto, Laurentino Gomes e Reinaldo José Lopes, entre outros, não são historiadores – e nem dizem ser; quem comete esse erro é a mídia.


Ricardo Coimbra:

"Startup Wars V", Ricardo Coimbra


Sebastián Piñera, economist

Sebastián Piñera, recently elected to the presidency of Chile (a position he held from 2010 to 2014), has a PhD in economics from Harvard. He has published articles in the Journal of Economic History, the Journal of Development Economics, and the Quarterly Journal of Economics, all of them top journals.

(Interesting: Google Scholar returns different results in searches for “Sebastian Pinera” and “ Sebastián Piñera”.)


Sebastián Piñera, economista

Sebastián Piñera, recém-eleito para a presidência do Chile (cargo que já ocupou de 2010 a 2014), é PhD em economia por Harvard. Publicou artigos no Journal of Economic History, no Journal of Development Economics e no Quarterly Journal of Economics, periódicos de primeira linha.

(Curiosidade: o Google Scholar gera resultados diferentes em pesquisas por “Sebastian Pinera” e “ Sebastián Piñera”.)


FHC: Eu queria fazer socialismo, não sociologia

Um dos vídeos que subi no YouTube é a entrevista de Fernando Henrique Cardoso para o projeto “Memória das Ciências Sociais no Brasil”. Abaixo, destaco alguns trechos.

Socialismo, não sociologia

Na verdade, quando eu fui para a sociologia, o que eu queria fazer era socialismo, não era sociologia, não é?! E a ideia era mudar o Brasil. […]

O primeiro trabalho que eu escrevi foi sobre Parmênides. Você imagina, [risos] para quem está querendo mudar o mundo, escrever sobre Parmênides não é propriamente gratificante, não é?! [risos] Bom… E até quem dava essa aula sobre os pré-socráticos era um professor que era comunista, ou próximo, ele era muito interessante. Tentava dar uma coisa viva.

Aposentadoria precoce

Eu fui aposentado em abril de 1969. Eu ganhei a cátedra em outubro, fiquei seis meses. Comecei a dar um curso, e acabou. Fui receber a minha aposentadoria lá, e depois a moça do guichê disse: “Esse já morreu.” Eu disse: “Como, morreu? Eu estou aqui.” Tinha morrido um outro Fernando Henrique, Mendes de Almeida, da faculdade de direito. Aí ela me deu o meu salário lá, correspondente ao tempo de serviço, não sei o quê… Olhou para mim: “Tão moço, já aposentado” – não é “já catedrático”, não – “já aposentado”… Que é a glória de todo mundo, não é?! “Como é que conseguiu?” [Risos] Eu digo: “Ah, não é tão fácil assim, não [risos].”

Volta no tempo

C.C. –Se o senhor tivesse dezessete anos de novo, o senhor faria ciências sociais ou faria outra opção? […]

F.C. –Provavelmente sim [faria ciências sociais], com ênfase em história e em economia. Eu acho que a história ensina mais. E entendida história não como événement, mas uma história para valer. [Isso] por causa do meu sentido histórico-estrutural. […] Ainda mais agora no mundo de hoje… Sim.

Mais intelectual do que político

No limite eu sou mais intelectual do que político. Se não fosse, eu teria continuado a exercer a liderança efetiva, e eu não quis, quando deixei a presidência, não é? Não quis por razões pessoais e também por razões que… Bom, precisa ter outros que, enfim, assumam. Infelizmente não fui tão feliz assim na minha expectativa de que pudesse haver outro que se impusesse naturalmente como líder. Porque o líder natural, sucessor natural meu, morreu – era o Mário Covas, não é? Então houve um buraco aí, de geração. Depois o outro seria o Serra, mas o Serra não assumiu.

O depoimento foi gravado em 2011, e os entrevistadores foram Helena Bomeny e Celso Castro (o “C.C.” na citação acima). A transcrição pode ser lida no site do projeto.

A entrevista toda é bem legal, apesar da jactância de FHC – que, na verdade, é até engraçada.

Angeli que o diga.

"Esta É a Sua Vida", Angeli, Folha de S.Paulo, 1995

"Histórias de Amor", Angeli, Folha de S.Paulo, 1996

"Fernando Vai a Roma", Angeli, Folha de S.Paulo, 1997

"Discurso à Nação", Angeli, Folha de S.Paulo, 1997

"O Príncipe e os Miseráveis", Angeli, Folha de S.Paulo, 1998


‘Nota Bene’ no YouTube

Tenho colocado alguns vídeos no YouTube.

Comecei a fazer isso mais por conveniência. É comum eu encontrar material audiovisual interessante pela internet e não assistir a ele por não estar no YouTube. Vídeos em plataformas ruins (muitas vezes com um player próprio do site), distribuídos apenas como arquivos (é necessário fazer o download; não há streaming), em formatos obsoletos… Esses “atritos” desestimulam mais do que pode parecer.

O YouTube, por outro lado, estimula o consumo de vídeo. É rápido e fácil. Poderia melhorar em alguns pontos – gostaria muito de poder organizar melhor os meus canais e playlists, por exemplo –, mas, no geral, oferece uma boa experiência de uso.

Meu plano inicial era publicar apenas os vídeos que eu realmente planejava ver, mas, até pela facilidade, resolvi incluir também material que pode interessar outras pessoas.

A ideia original, de alguma maneira, persiste: disponibilizar vídeos que não estejam no YouTube. (Ou que estejam em versões diferentes ou piores do que as minhas.)

Nestas semanas, o foco tem sido material do Insper e da FGV. O primeiro insiste em usar o Livestream, cuja experiência de uso não raro deixa a desejar. E a segunda distribui apenas em arquivos no formato Flash Video as ótimas gravações do projeto “Memória das Ciências Sociais no Brasil”.

Espero que gostem.


More Brazil

Besides the three articles in the American Economic Journal: Applied Economics, Brazilian data also appears in the latest issue of the American Economic Review.

“Trade Liberalization and Regional Dynamics”
Rafael Dix-Carneiro, Brian K. Kovak

We study the evolution of trade liberalization’s effects on Brazilian local labor markets. Regions facing larger tariff cuts experienced prolonged declines in formal sector employment and earnings relative to other regions. The impact of tariff changes on regional earnings 20 years after liberalization was three times the effect after 10 years. These increasing effects on regional earnings are inconsistent with conventional spatial equilibrium models, which predict declining effects due to spatial arbitrage. We investigate potential mechanisms, finding empirical support for a mechanism involving imperfect interregional labor mobility and dynamics in labor demand, driven by slow capital adjustment and agglomeration economies. This mechanism gradually amplifies the effects of liberalization, explaining the slow adjustment path of regional earnings and quantitatively accounting for the magnitude of the long-run effects.


Brazil in the ‘AEJ: Applied’

The October 2017 issue of the American Economic Journal: Applied Economics includes three articles with Brazilian data. Here are their abstracts.

“The Use of Violence in Illegal Markets: Evidence from Mahogany Trade in the Brazilian Amazon”
Ariaster B. Chimeli, Rodrigo R. Soares

We provide evidence on the effect of market illegality on violence. Brazil was historically the main exporter of mahogany. Starting in the 1990s, trade was restricted and eventually prohibited. We build on previous evidence that mahogany trade persisted after prohibition and document relative increases in violence in areas with natural occurrence of mahogany. We show that as illegal activity receded in the late 2000s so did the relative increase in violence. We describe an experience of increase in violence following the transition of a market from legal to illegal and contribute to the evaluation of prohibition policies under limited enforcement.

“Human Capital Persistence and Development”
Rudi Rocha, Claudio Ferraz, Rodrigo R. Soares

This paper documents the persistence of human capital over time and its association with long-term development. We exploit variation induced by a state-sponsored settlement policy that attracted immigrants with higher levels of schooling to particular regions of Brazil in the late nineteenth and early twentieth century. We show that one century after the policy, municipalities that received settlements had higher levels of schooling and higher income per capita. We provide evidence that long-run effects worked through higher supply of educational inputs and shifts in the structure of occupations toward skill-intensive sectors.

“Persuasion: A Case Study of Papal Influences on Fertility-Related Beliefs and Behavior”
Vittorio Bassi, Imran Rasul

We study the persuasive impacts of non-informative communication on the short-run beliefs and long-run behavior of individuals. We do so in the context of the Papal visit to Brazil in October 1991, in which persuasive messages related to fertility were salient in Papal speeches during the visit. We use individual’s exposure to such messages to measure how persuasion shifts short-run beliefs such as intentions to contracept and long-term fertility outcomes such as the timing and total number of births. To measure the short-run causal impact of persuasion, we exploit the fact the Brazil 1991 DHS was fielded in the weeks before, during, and after the Papal visit. We use this fortuitous timing to identify that persuasion significantly reduced individual intentions to contracept by more than 40 percent relative to pre-visit levels, and increased the frequency of unprotected sex by 30 percent. We measure the long-run causal impacts of persuasion on fertility outcomes using later DHS surveys to conduct an event study analysis on births in a five-year window on either side of the 1991 Papal visit. Estimating a hazard model of fertility, we find a significant change in births 9 months post-visit, corresponding to a 1.6 percent increase in the aggregate birth cohort. Our final set of results examine the very long-run impact of persuasion and document the impacts to be on the timing of births rather than on total fertility.

(Via Claudio Ferraz.)


‘Will we ever use any of this algebra?’

That old question deserves a good answer.

Math teacher, Saturday Morning Breakfast Cereal (SMBC)


Marcos Lisboa e Fernando Haddad

Marcos Lisboa e Fernando Haddad fizeram um interessante debate no Insper. Foi uma continuação da discussão iniciada na revista Piauí, que teve três textos (pelo menos até agora):

Uma das coisas interessantes do debate ao vivo é que os participantes muitas vezes dizem coisas que normalmente não escreveriam. Ou que escreveriam com muito cuidado, após pensar uma centena de vezes, principalmente no ambiente polarizado em que vivemos hoje.

Haddad, por exemplo, elogiou Fernando Henrique Cardoso, Geraldo Alckmin e, de maneira meio torta e indireta, até Eduardo Azeredo e a Folha de S.Paulo. Lisboa disse ter sido contra o impeachment de Dilma Rousseff.

Há também toda aquela interação pessoal que só um encontro ao vivo pode proporcionar – expressões, risadas, piadas, cutucadas etc. –, além de anedotas e comentários que não têm muito lugar em textos escritos. Logo no começo, por exemplo, Haddad disse, em tom de brincadeira:

Apesar de eu dar uns pitacos em economia de vez em quando, eu [só] estudei dois meses de economia, que foi pra passar no exame da Anpec. Depois eu não estudei mais. Eu colava um pouco do Alexandre Schwartsman, do Naercio Menezes, pra passar [nas provas do mestrado]. Então eu tenho dois meses de estudo no meu escritório de advocacia. Passei na Anpec, e é o que eu mais ou menos domino [sobre economia]. Agora, eu sou um curioso. Gosto de economia. Leio [sobre] economia bastante – sem o compromisso profissional, mas é um tema que eu aprecio muito.

Haddad foi colega de Alex e Naercio na USP, no final dos anos 1980. Hoje, os três estão no Insper. O relato acima vale, claro, pela curiosidade (especialmente para quem cursou ou pretende cursar mestrado de economia no Brasil). O ambiente no Insper era de descontração.

A imprensa brasileira foi abordada em certo momento da conversa. Infelizmente, Haddad insistiu em reforçar uma visão algo conspirativa da grande mídia, enquanto Lisboa beirou a inocência ao elogiá-la. Acredito que a realidade esteja mais próxima da opinião de Lisboa, mas quem realmente poderia ter acrescentado algo a essa discussão estava sentado entre os dois – Fernando de Barros e Silva, diretor de redação da Piauí, que mediou o debate. Com sua credibilidade e experiência, ele poderia ter feito ótimas ponderações aos exageros cometidos pelos debatedores, mas, compreensivelmente, preferiu fazer apenas uma rápida observação.

De qualquer maneira, os comentários de Haddad e Lisboa são mais uma demonstração da incompreensão que existe, mesmo entre a elite intelectual brasileira, sobre o jornalismo – em especial, sobre o funcionamento dos grandes veículos de mídia no país.

Jornalistas como Barros e Silva poderiam pensar em alguma maneira de melhorar isso. Eles têm muito a contribuir.

[Atualização – 24/9] A fala de Haddad que destaquei acima gerou um debate um tanto exagerado no perfil de Carlos Eduardo Gonçalves no Facebook (e talvez em outros lugares também). Modifiquei o texto para frisar que Haddad estava brincando, como bem observou Paulo Furquim de Azevedo.


‘Quatro Cinco Um’

No mês passado chegou às livrarias a Quatro Cinco Um, uma revista literária inspirada em veículos como a New York Review of Books e a London Review of Books. Um lançamento muito bem-vindo, até pela carência de publicações desse tipo no Brasil.

Porém fiquei preocupado ao folhear a segunda edição. Aparentemente, houve um aumento no número de artigos escritos por jornalistas – ou, pelo menos, por jornalistas que não acrescentam muito. Não fiz as contas, mas essa foi a minha impressão. E é uma péssima impressão.

A grande imprensa já está cheia de artigos rasos e cheios de achismos escritos por jornalistas. Muitos destes são ou foram bons profissionais – redatores, repórteres, editores –, mas no geral escrevem artigos fracos de análise ou opinião. Claro, há exceções, mas o que me incomodou na Quatro Cinco Um foi justamente o aumento no número de nomes que não estão entre essas exceções. Não é isso que procuro em uma revista literária.

Talvez isso tenha ocorrido (e continuará a ocorrer) não exatamente por falha dos editores, mas por uma falta de autores dispostos a escrever artigos para uma publicação desse tipo no Brasil. Talvez haja uma carência de intelectuais, especialistas, críticos, estudiosos, acadêmicos, pesquisadores, escritores, professores etc. que tenham, além de conhecimento, capacidade e disposição para se comunicar bem com o público. Assim, o espaço dedicado a esse tipo de autor acaba sendo preenchido por jornalistas que têm capacidade e disposição para se comunicar, mas não muito conhecimento.

Isso poderia explicar a própria carência de revistas literárias no Brasil.

Espero, contudo, que eu esteja errado e que, futuramente, vejamos uma seleção de autores mais qualificados na Quatro Cinco Um e em outras publicações.