Nicholas White on the use of chloroquine and hydroxychloroquine for prevention of COVID-19

Nicholas White has been one of the few lucid, balanced voices on the use of chloroquine and hydroxychloroquine in treatment against COVID-19.

He is co-principal investigator of COPCOV, a randomised, placebo-controlled prophylaxis study to determine whether those drugs prevent the novel coronavirus disease in the healthcare setting.

In this video, recorded in July 2020, he says that we still don’t know whether these drugs work or not and that it’s been hard to find out because the politicisation has been interfering with the conduct of the studies.

[UPDATE – 8 November] Read the full transcript below the line.
Continue lendo “Nicholas White on the use of chloroquine and hydroxychloroquine for prevention of COVID-19”

Artur Avila e o ‘negacionismo’ na ciência

Helio Gurovitz fez uma ótima entrevista com Artur Avila. Destaco dois trechos sobre negacionismo.

Nem é preciso entrar em muitos exemplos – penso logo nas vacinas – para ver que a postura anticientífica é atraente em certos meios. Por que isso acontece? Primeiro, está associado à polarização política. As pessoas escolhem seu campo a priori. Estão tão atreladas à própria posição, que a ciência que desafiá-la precisa ser descartada para continuarem a viver bem. Quando se recusam a criticar o próprio campo ideológico, isso conduz, de certa maneira, a rejeitar a ciência que apresentar uma crítica a ele. É parte da maneira como as pessoas vivenciam a política. Todo mundo na verdade está exposto a isso. É preciso reconhecer que, em qualquer lado da polarização que você esteja, filtrará as informações e rejeitará conclusões científicas contrárias. Não é questão de dizer que todo mundo é igual. Mas, quando a gente faz uma crítica – e deve sempre criticar – a posições como o terraplanismo, é sempre bom ver se não se dispõe a fazer o mesmo quando a crítica vier na sua própria direção. O discurso político é muito raso para comportar a complexidade de uma discussão científica. Inclusive porque a ciência não é cheia de certezas. Lidar com a nuance e com a maneira como ela se desenvolve, com margens de erro, é complicado. Quando vira um Flá-Flu, quando você fica torcendo pra sair o resultado que quer, não olha para a ciência como uma fonte de saber, mas só para tentar justificar ações que já tinha decidido anteriormente.

[…]

A gente tem muita incerteza, principalmente nessa situação em que faz ciência em tempo real. Não é o tempo natural da ciência. Pessoalmente, reservo a palavra “negacionismo” para situações bem estabelecidas. Há tanta incerteza no momento, que usá-la muito cedo acaba por associá-la a situações mais claras, em que o consenso científico é muito maior. Não é que eu tenha dúvidas da ciência, não tenho nenhuma. Mas é que isso encoraja o pessoal a reagir de maneira mais virulenta. A ciência, neste momento principalmente, aparentará oscilar. Uma hora os cientistas recomendarão uma coisa, outra hora podem recomendar o contrário. Não é bom usar prematuramente essa terminologia, numa situação em que a coisa pode mudar. O problema de quem adota uma posição inerentemente anticientífica é que, por acidente completo, de repente pode estar certo por acaso. Se as recomendações se tornarem o contrário do que eram, não quer dizer que a ciência estava errada. A ciência foi apenas ampliando o conhecimento. Usando essa terminologia, porém, as pessoas se sentirão encorajadas a fazer interpretações de que a ciência na verdade tem uma função política. É por isso que tento evitar. É um vocabulário que pode encorajar o lado anticientífico. A gente tem que aceitar a incerteza e dizer que existe uma gama de possíveis conclusões a partir do nosso conhecimento atual. E guardar o negacionismo para situações mais claras, como o Holocausto, bem diferente de questões que os cientistas ainda debatem. É preciso evitar o excesso no uso de linguagem, porque a gente pensa que está ajudando a clarificar uma coisa, mas pode ter o efeito inverso: levar as pessoas a duvidar mais ainda, porque as incertezas evidentes podem dar a impressão de que a ciência não é uma coisa séria.

Perfeito. Muitos “divulgadores científicos” e seus seguidores deveriam prestar especial atenção ao segundo trecho, sobre o problema de usar a palavra “negacionismo”. É necessário ter muito cuidado não apenas ao apurar a produção científica, mas também ao comunicá-la.

Jordan Peterson: ‘Ideologues love vagueness’

Jordan Peterson, on Quora:

Ideologues love vagueness, but specificity is their enemy, because their low-resolution theories cannot deal with differentiated facts. One such example is the standard radical left claim, often implicit, that all differences in power that can be observed between any groups of people spring from injustice. You can make such a claim axiomatic, by defining injustice as that which produces differences in power between groups of people. You can extend it to include all differences in power between individuals as well. The advantage so such a claim are twofold. First, you have a convenient answer to a very large set of very complex questions, so you don’t have to study, and research and think. Second, you can claim the moral high-ground, as someone who “opposes discrimination.” It’s a pretty pathetic game, intellectually and morally, and has spawned some seriously virulent and murderous thoughts and actions. You have to go after such dough-like overgeneralization with very sharp knives.

I agree. Unfortunately, many ideologues have a wide appeal.