Não há editores?

Em agosto de 2009, o Financial Times publicou um artigo de Niall Ferguson sobre o primeiro semestre de Barack Obama na presidência dos EUA. Ele começava assim:

President Barack Obama reminds me of Felix the Cat. One of the best-loved cartoon characters of the 1920s, Felix was not only black. He was also very, very lucky. And that pretty much sums up the 44th president of the US as he takes a well-earned summer break after just over six months in the world’s biggest and toughest job.

Paul Krugman reagiu com uma pergunta: não há editores?

But what I really can’t fathom is how any editor could think this was a good thing to appear in the FT’s pages. I occasionally use an unfortunate turn of phrase; when I do, my copy editor politely suggests that I find another. And if it’s borderline, Andy Rosenthal will weigh in. I don’t think anything like this could show up in the Times — certainly not as the lede.

O questionamento de Krugman tem algo de semelhante com a nota de repúdio endereçada à Folha de S.Paulo pela publicação do artigo “O Porco e o Cordeiro”, de Alexandre Schwartsman:

Repudiamos também a conivência da Folha de S.Paulo e do respectivo editor na prática de tamanha torpeza, transgredindo o código de ética que o próprio jornal afirma seguir.

Como eu disse antes, não se trata de uma afronta à liberdade de expressão ou algo do tipo. É um questionamento válido a favor de um jornalismo de qualidade.

Claro, nos dois casos há um componente pessoal ou ideológico. Krugman despreza Ferguson, e os signatários da nota de repúdio simpatizam com Belluzzo. Isso, porém, não invalida o teor de ambos os protestos.


P.S. Há algo de irônico em escrever isso após repreender Mansueto Almeida por ter comparado Schwartsman a Krugman.