Melhores colunas de análise e opinião do Brasil

Publiquei hoje (6/4) a seleção Nota Bene de melhores colunas de análise e opinião do Brasil.

A seleção Nota Bene de melhores colunas de análise e opinião do Brasil é completamente subjetiva – resultado dos meus critérios de qualidade e preferências de leitura. A maioria delas aborda economia e política, mas há também nomes de esporte, educação e saúde, entre outros temas.

Faltam colunas de livros, música e cinema. Não é que eu ignore esses temas; é só que não tenho muito interesse em ler colunas sobre eles. Primeiro, por uma questão de prioridade – o tempo é escasso e prefiro dedicá-lo a outras coisas. Segundo, porque o meu consumo de tais produtos é concentrado em obras antigas – e a mídia, compreensivelmente, dá muito mais espaço ao que é novidade. Terceiro, porque simplesmente não conheço bons colunistas nessas áreas. Talvez eles existam – fique à vontade para me enviar sugestões.

A seleção inclui não apenas colunas em seu formato tradicional, mas também blogs. Um articulista que escreve coluna e blog não necessariamente terá os dois incluídos na lista – Juca Kfouri e Mauricio Stycer, por exemplo, aparecem apenas com as suas colunas.

Deixei as traduções em uma seção separada porque são textos originalmente publicados em veículos estrangeiros, como New York Times e Financial Times. Na verdade, ainda não sei se vou mantê-las na lista.

Alguns dos critérios de qualidade são honestidade intelectual, conhecimento, constância e texto. Não basta ser inteligente – um bom colunista deve transmitir as suas ideias de uma maneira clara para o leitor, e isso é mais difícil do que parece.

Colunas de reportagem – como Mônica Bergamo, Ancelmo Gois e o “Painel” da Folha – não foram consideradas.

A seleção está em constante atualização. Críticas e sugestões podem ser enviadas por e-mail.

Clique aqui para conferir a lista.

Novo aplicativo da ‘Folha’: não dá para ler

O novo site da Folha, apesar de tantos problemas, é melhor do que a sua versão anterior. O mesmo não se pode dizer do aplicativo da edição impressa.

O jornal trocou de desenvolvedora, e a responsável pelo novo app é uma empresa chamada Maven. Por enquanto, as consequências dessa mudança são desastrosas. Basta ler os comentários no site da Folha e na App Store. É praticamente uma unanimidade – algo que, neste ambiente tão polarizado de hoje, é difícil de conseguir. Parabéns, Folha.

O pior problema chega a ser absurdo de tão ridículo: a baixa definição das páginas do jornal. Como é possível um app dedicado à leitura oferecer uma legibilidade tão baixa?

Para ter uma noção melhor do problema, veja estas capturas feitas com o iPad: Folha, Estadão.

Não, você não está com a vista ruim – a página da Folha realmente está toda embaçada! Note como o app do Estadão exibe caracteres nítidos, bem definidos. (É possível ver também que o aplicativo da Folha não oculta a barra de status do iOS na visualização em tela cheia, mas esse é um problema menor.)

No app da Folha, o texto é exibido em formato de imagem, e isso não deveria ocorrer, pois afeta diretamente a sua legibilidade. O texto deveria ser exibido como texto de fato, ou seja, como se os caracteres fossem vetores, o que permitiria que fossem ampliados ou reduzidos sem perda de nitidez.

É impressionante que um erro tão básico tenha passado batido pelo controle de qualidade da Maven e da Folha. Bem, talvez elas não o considerem um erro. Talvez até achem que não se trata de um problema! Afinal, o novo app foi lançado há semanas e recebeu uma atualização anteontem (13/3). E o problema continua lá.

Não é apenas o texto. As fotos também são exibidas com uma definição sofrível. Novamente, o app do Estadão vence de goleada.

É irônico a Folha se gabar da tipografia e das fotos do novo site e se descuidar tanto desses itens no aplicativo do jornal impresso.

As reclamações ocorrem desde o dia em que a nova versão foi lançada, e até agora nada parece ter sido feito. É revoltante porque já se passaram semanas – e cada dia que passa sem melhoras é um dia a mais de edição impressa com legibilidade horrível e outros problemas; ou, em outras palavras, um dia a mais sem edição impressa.

Isso no app de uma marca que é tradicionalmente um jornal impresso. Isso num app que é destinado exclusivamente a assinantes. São exatamente os leitores que pagam para ler a Folha os maiores prejudicados com esse descaso absurdo do jornal.

Um aplicativo tão porcamente produzido como o da Folha diminui muito o incentivo a pagar por uma assinatura do jornal, até porque é fácil demais burlar o paywall do site.

Parece-me óbvio que contratar a Maven para desenvolver o novo app da Folha foi um tremendo erro. Se o problema não tiver solução, o melhor que o jornal poderia fazer seria reconhecer esse erro e trocar de desenvolvedora.

A Folha precisa adotar em suas plataformas digitais o mesmo rigor técnico aplicado na versão impressa. Ela dificilmente colocaria nas bancas um jornal com tantos defeitos como os presentes no aplicativo (e no site).

Se há algo que a Folha faz bem, quando comparada aos concorrentes, é um jornal impresso. Por que não ter a ambição de alcançar no digital a mesma excelência que ela conseguiu no papel? Do jeito que as coisas andam, o jornal continuará a ser apenas mais uma entre tantas alternativas de jornalismo online – e longe de ser a melhor (nos aspectos técnicos da mídia digital). Quanto mais ela demora para melhorar, mais longe ela fica do topo.

Novo site da ‘Folha’

Na semana passada a Folha estreou um novo site. Eis minhas primeiras impressões.

Prós

  • Melhora geral. Isso é o mais importante – o site, no geral, melhorou em relação à versão anterior.

  • Espaço em branco. O site “respira” melhor com o novo design, principalmente quando visualizado em desktop.

  • Acessibilidade. Louvável a preocupação do jornal com acessibilidade.

  • Fim do azul-bebê. A cor utilizada pelo jornal nos últimos anos não passava um ar de seriedade, e eu nunca vi uma justificativa razoável para a sua escolha. Cheguei a ouvir algo como “é a cor da moda, a cor do Twitter”. (Bom, se o objetivo é “estar na moda”, o novo azul da Folha está mais próximo do usado pelo Facebook – e também dos tons adotados por veículos como o Estadão, O Globo e El País. Não sei se isso é algo positivo, porém.)

  • Fim dos créditos excessivamente detalhados. Na edição impressa (que deve mudar em breve), a Folha ainda coloca, sob o nome do autor da matéria, descrições como “De Brasília”, “Enviado especial a Madri”, “Colaboração para a Folha”, “Especial para a Folha” etc. Acho que esses detalhes pouco interessam ao leitor comum – e, se fossem realmente importantes, deveriam ser explicados a ele. Qual é a diferença entre “Enviado especial a Paris”, “De Paris” e “Em Paris”? (Acredite, há diferença entre os dois últimos e, posso apostar, boa parte dos jornalistas da própria Folha não sabe explicá-la.) Como a Folha diferencia a “colaboração” do “especial”? Para piorar, há falta de paralelismo entre os termos. Por exemplo, “Enviado especial a Londres” indica que o repórter foi enviado a Londres; “Colaboração para a Folha” indica que a matéria foi feita em regime de colaboração (freelance, para ser mais específico). Na primeira, o termo refere-se ao repórter; na segunda, ao trabalho dele.

Contras

  • Erros. O site estreou cheio de falhas, com links quebrados, caracteres errados e outras falhas e imperfeições. Pareceu um lançamento precipitado e despreparado, com um deadline que chegou antes de o trabalho estar finalizado. “Vamos lançar o novo site no dia 1º de fevereiro, esteja pronto ou não!” Alguns erros ainda persistem.

  • Publicidade. Alguns anúncios são bizarros. A home exibe um banner gigantesco no desktop e um pop-up horrível no celular. Mas o maior absurdo são os anúncios da Outbrain, que aparecem colados às notícias recomendadas – e com um visual muito semelhante ao delas. Além de enganar o leitor mais desatento, eles têm chamadas sensacionalistas, com títulos caça-cliques pra lá de sacanas (“iPhone vendido por R$ 280”, “Bancos no Brasil estão preocupados que a Bitcoin oferece uma melhor forma de investimento”). E o destino dos links, claro, são páginas sem credibilidade alguma. É um contrassenso a Folha usar esse tipo de anúncio numa era em que tanto se fala sobre fake news. De alguma maneira, ela está ajudando sites que desinformam e merecem sumir do mapa.

  • Acessibilidade. Falta cuidado com detalhes. Se eu seleciono a versão escura (fundo cinza) na home e, depois, clico em uma notícia, a pagina desta é carregada na versão clara. E na versão escura, é impossível ler os títulos das notícias recomendadas.

  • Tipografia (fonte). A “tipografia […] tratada para usos em diferentes telas” funciona bem em celulares e tablets, que geralmente têm telas com alta densidade de pixels, mas deixa um pouco a desejar em monitores comuns, que têm baixa densidade e são os mais usados em computadores desktop. Vejam nesta imagem a comparação de duas capturas de tela realizadas em um monitor de 24 polegadas com resolução de 1920 × 1200 pixels 1. À esquerda, o texto com a fonte FolhaTexto; à direita, com Georgia 2. Ao menos para mim, a legibilidade do texto com Georgia é superior, principalmente devido ao contraste. O til na versão com FolhaTexto fica distorcido a ponto de parecer um macro.

  • Tipografia (outros). A Folha poderia aproveitar a reforma no site e aplicar nele o mesmo cuidado tipográfico da edição impressa em elementos como travessão e aspas. O primeiro deve ser exibido como travessão de fato, não como um, dois ou três hifens (ou qualquer outro sinal). As aspas devem ser curvas (“como estas”), não retas ("como estas") 3.

  • Padrão. Parece faltar consistência visual na exibição de algumas páginas. Vejam este exemplo. São oito cabeçalhos de colunas no site. Todas são colunas de análise e opinião, ou seja, em tese deveriam apresentar um padrão semelhante. Mas não é o que ocorre. Os três primeiros têm título com fonte FolhaII; os outros aparecem com fonte FolhaTexto. Há colunas com linha fina e chapéu, com linha fina e sem chapéu, sem linha fina e com chapéu e sem linha fina nem chapéu. O chapéu pode ter uma só palavra ou mais. E as palavras podem ou não incluir links para tags. Combinações para todos os gostos! É uma zona tão grande que há diferenças entre textos do mesmo autor (Clóvis Rossi) e até na cor do nome do colunista (Reinaldo Azevedo é o único em cinza). Também seria bom atenção na edição para evitar viúvas como esta.

  • Fotos. Parece ter faltado às fotos a atenção que o jornal deu à tipografia. Muitas imagens são exibidas com baixa resolução ou muitos artefatos de compressão – uma falta de consideração não apenas com o leitor, mas com o trabalho dos fotógrafos. O problema ocorre inclusive em galerias (que obviamente deveriam exibir as fotos da melhor maneira possível) e é mais grave em telas com alta densidade de pixels.

  • Tablets. O layout das páginas no iPad parece ter sido meio negligenciado, principalmente quando o tablet é usado na posição retrato (vertical). Como a tela do tablet é maior que a do celular e menor que a do computador, a solução da Folha foi, aparentemente, misturar características dos layouts destinados a estes dois. O resultado é inconsistente. O problema, pelo que vejo, ocorre basicamente na visualização de elementos que foram desenhados para celular. O logotipo do jornal e os banners de publicidade, por exemplo, aparecem espremidos, com tamanho ideal para celular (bem, no caso dos anúncios, isso pode até ser considerado um ponto positivo para o leitor, mas o layout fica estranho). Algumas chamadas para notícias são esticadas de maneira a ocupar toda a largura da tela, como ocorre no celular – mas, no tablet, elas ficam grandes demais e com fotos horríveis (com resolução muito baixa para o tamanho em que são exibidas).

  • Comentários. O nível dos comentários era e continuará a ser baixo, isso não tem jeito. Mas o design pode melhorar. Ao clicar no botão “Todos os comentários”, somos levados a uma página não responsiva, com legibilidade terrível no celular (bem, mesmo no desktop ela nunca foi boa, com linhas muito compridas). Outro problema que ocorre no celular é aquele botãozinho cinza com ícone de balão, abaixo do título da matéria e ao lado do botão de WhatsApp. Ele deveria levar o leitor à seção de comentários. Ao clicar nele, porém, os comentários não aparecem porque estão escondidos sob o “Continue lendo”.

  • Busca. O sistema de pesquisa do site apresenta pelo menos dois problemas. O primeiro é a busca de palavras com acento. Ao acessar a home, clicar na lupa e digitar “previdência”, o resultado é este (link). Nessa página de resultados, substituir “previdência” por “previdência” dá certo – o resultado é este (link). O segundo problema é que, ao fazer a busca no celular, a página de resultados é exibida na antiga versão para desktop, não na mobile.

  • Antigo site para dispositivos móveis. As páginas de comentários e resultados de busca têm um problema em comum: ambas são exibidas na antiga versão para desktop, mesmo quando acessadas pelo celular. É necessário melhorar a integração entre o site novo (responsivo) e o antigo (com versões separadas para desktop e mobile). Ao navegar pelo site novo e clicar em um link com destino ao site antigo, somos levados à versão desktop da página, mesmo quando o acesso é feito pelo celular. Em outras palavras, o velho site mobile foi jogado para escanteio. Posso dar outros exemplos além dos acima (comentários e busca). Ao acessar a página da edição impressa e selecionar uma data anterior a 1/2/2018, somos sempre levados à versão desktop, nunca à mobile. O mesmo ocorre quando acessamos a página de um colunista e selecionamos um artigo.

  • Página de opinião. Nela, a maioria das chamadas tem apenas o chapéu “Opinião” e o título do texto. O ideal seria ver também o nome do autor do artigo (talvez no próprio chapéu).

  • HTTPS. O acesso ao site ainda não é feito com HTTPS. Demorou, Folha.

Apesar de o volume de texto dos contras ser maior que o dos prós, ressalto que, de uma maneira geral, gostei da atualização do site. Boa parte dos problemas que menciono nos contras já existia desde antes da reforma – ou seja, não apareceram com a nova versão (mas não foram corrigidos nela).


  1. Densidade de 94 PPI (pixels por polegada). O MacBook Pro de 13 polegadas tem 227 PPI. O iPhone X tem 463 PPI; o iPhone 8, 326 PPI; o Galaxy S8, 568 PPI. (Fonte: DPI Calculator / PPI Calculator.) 
  2. A fonte Georgia foi desenhada em 1993 por Matthew Carter especialmente para o uso em telas de baixa resolução. 
  3. Robert Bringhurst, em The Elements of Typographic Style, sobre as “dumb quotes” (“aspas falsas”, na edição brasileira): “These are refugees from the typewriter keyboard. […] They have no typographic function.” 

Tyler Cowen on ‘Bloomberg View’

Interesting post by Tyler Cowen on Bloomberg View:

One of the most striking features of BV, from my personal point of view, is how many of the writers I was actively reading and following before they started with BV. […]

One day I woke up and realized these people write for Bloomberg View, or that people like them were going to, and then it occurred to me that maybe I should too. And there are still Bloomberg View writers I haven’t really discovered yet. (By the way, one reason all these people are so good is because of the consistently excellent editors.)

What is the common element behind all of these writers? I would say that Bloomberg View tends to hire reading-loving, eclectic polymaths, with both academic knowledge and real world experience, and whose views cannot always be predicted from their other, previous writings.

Over the last year, I think I would nominate Ross Douthat as The Best Columnist. But overall I think Bloomberg View has assembled the most talented and diverse group of opinion contributors out there, bar none.

On top of all that, BV is perhaps the least gated major opinion website.

The list of columnists for Bloomberg View is really admirable. It may be even possible to say that, within a certain scope, Bloomberg View alone is better than all of Brazil (i.e., considering all its news publications) when it comes to opinion writers.

Tyler Cowen sobre a ‘Bloomberg View’

Post interessante de Tyler Cowen sobre a Bloomberg View:

One of the most striking features of BV, from my personal point of view, is how many of the writers I was actively reading and following before they started with BV. […]

One day I woke up and realized these people write for Bloomberg View, or that people like them were going to, and then it occurred to me that maybe I should too. And there are still Bloomberg View writers I haven’t really discovered yet. (By the way, one reason all these people are so good is because of the consistently excellent editors.)

What is the common element behind all of these writers? I would say that Bloomberg View tends to hire reading-loving, eclectic polymaths, with both academic knowledge and real world experience, and whose views cannot always be predicted from their other, previous writings.

Over the last year, I think I would nominate Ross Douthat as The Best Columnist. But overall I think Bloomberg View has assembled the most talented and diverse group of opinion contributors out there, bar none.

On top of all that, BV is perhaps the least gated major opinion website.

A lista de colunistas da Bloomberg View é realmente admirável. Talvez seja até possível dizer que, dentro de um certo escopo, a Bloomberg View sozinha é melhor do que o Brasil inteiro (todos os veículos somados) em matéria de opinião.

Guia metodologicamente incorreto

Apenas recentemente tomei conhecimento da polêmica envolvendo a série Guia Politicamente Incorreto, do canal History.

RIO – Historiadores e escritores acusaram o canal History de incluir, sem o seu consentimento, trechos de entrevistas feitas com eles para o programa “Guia politicamente incorreto da História do Brasil”, cujo primeiro episódio foi ao ar neste sábado.

Lira Neto, Lilia Schwarcz e Laurentino Gomes afirmam ter sido entrevistados por uma produtora contratada pelo canal sem serem informados de que as declarações seriam utilizadas no programa em questão.

Lira Neto foi um dos que mais reclamaram publicamente sobre o ocorrido e chegou a abordar o assunto em sua coluna na Folha:

Estupefato, na semana passada, fiquei sabendo que minha fala seria incluída, de modo ardiloso, em uma série intitulada “Guia Politicamente Incorreto”, baseada nos livros do jornalista Leandro Narloch. Se tivesse sido informado disso previamente, não teria concedido a entrevista.

Considero tais livros um desserviço ao público jovem, alvo prioritário deles. São simplórios na argumentação, falaciosos na utilização das fontes, pródigos em promover estereótipos e sedimentar preconceitos contra minorias historicamente marginalizadas.

Imediatamente, tratei de exigir explicações dos responsáveis. Após apelar para o cinismo e tentar dizer que tudo não passara de um “mal-entendido”, o diretor foi desmascarado pelos fatos. Outros entrevistados, como as historiadoras Lilia Schwarcz, Isabel Lustosa e Mary Del Priore, assim como o jornalista Laurentino Gomes, revelaram que tinham sido vítimas da mesma armadilha. […]

O próprio Narloch sentiu-se compelido a vir a público, pelas redes sociais, para dizer que estava “frustrado” com a história. Afirmou não saber que havíamos sido enganados. Concordava com o pedido dos atingidos para que fossem retiradas as respectivas entrevistas do programa. Contudo, alegou, tudo havia sido feito em nome de promover “um debate elegante sobre temas delicados”.

Quem assistiu aos primeiros episódios constatou que não há elegância ou debate naquilo. A presença e o nome de pesquisadores sérios estão sendo utilizados, na edição, apenas para legitimar e corroborar uma narrativa tendenciosa, “politicamente incorreta”. Por si só, a palavra “guia”, do título, não deixa margem para dúvidas: sugere condução, viés, predefinição de rumo.

Reinaldo José Lopes, que já trabalhou com Leandro Narloch (autor do Guia Politicamente Incorreto da História do Brasil) e foi entrevistado para a série, falou sobre a polêmica em seu blog e em sua coluna (o trecho abaixo é retirado desta):

O problema central da série é que, embora a proposta declarada seja desmontar clichês e visões ideologicamente motivadas de figuras da nossa história, o que de fato ocorre é substituir um clichê por outro. […]

Como talvez o leitor saiba, dá para contar uma mentira imensa contando apenas verdades –ou pedacinhos dessas verdades.

Gostei especialmente dos textos de Lira Neto e José Lopes porque eles incluem boas críticas ao livro de Narloch e à série nele baseada.

O grande problema desse tipo de obra não são suas conclusões em si, mas a metodologia adotada para chegar a elas. O fato de a tese ser “politicamente incorreta” ou “politicamente correta” é o de menos. O importante é a qualidade da pesquisa – que, nesse tipo de trabalho, costuma ser muito baixa.

Não me refiro a livros de história escritos por não historiadores – afinal, não é necessário ser historiador para escrever bons livros de história. Minha crítica é direcionada a certas obras de não ficção simplistas e sensacionalistas, com título provocativo (e geralmente meio bobo). Uma estratégia comum de seus autores é defender teses polêmicas usando argumentação fraca, baseada em evidências ou interpretações de pouca relevância.

E Narloch “adora uma evidência anedótica – ou seja, ‘causos’, histórias individuais sobre uma situação específica”, diz José Lopes, antes de completar: “Causos são legais, mas quando a gente está falando de história, é preciso deixar muito claro se eles são representativos ou não.”

Para piorar, quando autores dessas obras são alvo de críticas, eles frequentemente tentam desqualificá-las sem rebater seus argumentos, como mostra texto de Juliana Sayuri:

A respeito das críticas de Lira Neto, Narloch afirmou à Folha que as considera personalistas e motivadas mais por divergência política do que pelas informações da série ou do livro.

Respostas assim deveriam deixar claro que o criticado se considera incapaz de responder devidamente aos argumentos da crítica. Infelizmente, não é isso o que ocorre.

Como já nos mostrou Paulo Maluf (entre tantos outros políticos), responder a uma crítica sem rebater seus argumentos é uma tática de retórica que funciona bem. E os fãs de autores como Narloch são mais uma amostra disso.


Para finalizar, um comentário sobre a cobertura da mídia. Uma leitura rápida das matérias sobre o caso pode dar a impressão de que se tratou de mais uma batalha em uma eterna guerra entre historiadores e jornalistas ou algo assim. Títulos usados pelos veículos contribuem para isso.

Mas, como é evidente, as reclamações não vieram apenas de historiadores. Lira Neto, Laurentino Gomes e Reinaldo José Lopes, entre outros, não são historiadores – e nem dizem ser; quem comete esse erro é a mídia.


Ricardo Coimbra:

"Startup Wars V", Ricardo Coimbra

Marcos Lisboa e Fernando Haddad

Marcos Lisboa e Fernando Haddad fizeram um interessante debate no Insper. Foi uma continuação da discussão iniciada na revista Piauí, que teve três textos (pelo menos até agora):

Uma das coisas interessantes do debate ao vivo é que os participantes muitas vezes dizem coisas que normalmente não escreveriam. Ou que escreveriam com muito cuidado, após pensar uma centena de vezes, principalmente no ambiente polarizado em que vivemos hoje.

Haddad, por exemplo, elogiou Fernando Henrique Cardoso, Geraldo Alckmin e, de maneira meio torta e indireta, até Eduardo Azeredo e a Folha de S.Paulo. Lisboa disse ter sido contra o impeachment de Dilma Rousseff.

Há também toda aquela interação pessoal que só um encontro ao vivo pode proporcionar – expressões, risadas, piadas, cutucadas etc. –, além de anedotas e comentários que não têm muito lugar em textos escritos. Logo no começo, por exemplo, Haddad disse, em tom de brincadeira:

Apesar de eu dar uns pitacos em economia de vez em quando, eu [só] estudei dois meses de economia, que foi pra passar no exame da Anpec. Depois eu não estudei mais. Eu colava um pouco do Alexandre Schwartsman, do Naercio Menezes, pra passar [nas provas do mestrado]. Então eu tenho dois meses de estudo no meu escritório de advocacia. Passei na Anpec, e é o que eu mais ou menos domino [sobre economia]. Agora, eu sou um curioso. Gosto de economia. Leio [sobre] economia bastante – sem o compromisso profissional, mas é um tema que eu aprecio muito.

Haddad foi colega de Alex e Naercio na USP, no final dos anos 1980. Hoje, os três estão no Insper. O relato acima vale, claro, pela curiosidade (especialmente para quem cursou ou pretende cursar mestrado de economia no Brasil). O ambiente no Insper era de descontração.

A imprensa brasileira foi abordada em certo momento da conversa. Infelizmente, Haddad insistiu em reforçar uma visão algo conspirativa da grande mídia, enquanto Lisboa beirou a inocência ao elogiá-la. Acredito que a realidade esteja mais próxima da opinião de Lisboa, mas quem realmente poderia ter acrescentado algo a essa discussão estava sentado entre os dois – Fernando de Barros e Silva, diretor de redação da Piauí, que mediou o debate. Com sua credibilidade e experiência, ele poderia ter feito ótimas ponderações aos exageros cometidos pelos debatedores, mas, compreensivelmente, preferiu fazer apenas uma rápida observação.

De qualquer maneira, os comentários de Haddad e Lisboa são mais uma demonstração da incompreensão que existe, mesmo entre a elite intelectual brasileira, sobre o jornalismo – em especial, sobre o funcionamento dos grandes veículos de mídia no país.

Jornalistas como Barros e Silva poderiam pensar em alguma maneira de melhorar isso. Eles têm muito a contribuir.

[Atualização – 24/9] A fala de Haddad que destaquei acima gerou um debate um tanto exagerado no perfil de Carlos Eduardo Gonçalves no Facebook (e talvez em outros lugares também). Modifiquei o texto para frisar que Haddad estava brincando, como bem observou Paulo Furquim de Azevedo.

Japan and the ‘Galapagos syndrome’

In the Japan Times, William Pesek asks: “Can Spotify crack CD-loving Japan?

The compact disc is still king for Japan’s 127 million people. Tower Records locations still thrive in cities around the nation, presenting quite a paradox. Japanese consumers proudly count themselves among the perennial early adopters of new technologies like robots, and yet cling to mediums going the way of the eight-track tape and mini disc (even fax machines are still wildly popular). As the CD goes virtually extinct and digital downloads thrive everywhere else, they account for about 80 percent of Japanese sales.

This uniqueness is a microcosm of challenges facing the economy. Like many outside disrupters – including Uber and Airbnb – Japan’s protectionist business climate is an incredibly tough nut to crack. Such advancements are greeted with great suspicion in a market prone to the “Galapagos syndrome.” The advent of Netflix and Hulu, for example, barely dented the video-rental market as chains like Tsutaya thrive. Japan has barely been touched by budget airlines, never mind the apps economy shaking up the West. Spotify can provide an earful on that after years of painstaking licensing negotiations.

Artists may have few qualms, of course. Taylor Swift and her ilk can give you earfuls about streaming slashing royalties. Japan’s homegrown pop idols, which massively outsell Western acts, in theory are pulling in comparatively more cash. David Bowie saw this coming as far back at the mid-1990s, warning that the internet would impede artists’ ability to monetize the music and recalibrated accordingly.

Who knows? Japanese people may be willing to pay for a Spotify (or Line Music, or Apple Music) subscription while still buying CDs.

Idiotas que saem da ‘Veja’ para atacar a ‘Veja’

Reinaldo Azevedo, sobre as mudanças na Veja:

Caso as coisas terminem aqui, não integrarei a enorme fila dos idiotas que saem da VEJA para atacar a VEJA.

Diogo Mainardi, sobre o mesmo assunto:

Eu, Diogo, considero irônico que o PT tenha assumido o controle da Veja num momento em que tanto o PT quanto a Veja caminham para a extinção.

Media criticism in Brazil

There is a lack of non-partisan media criticism in Brazil. What we usually see are opinions from people dissatisfied with the treatment that publications give to certain parties or persons, not with the quality of their journalism.

This gap also exists in the mainstream media, as Alberto Dines, co-founder of Observatório da Imprensa (“press observatory”), a media criticism website, likes to remind. It is a pity. The most prestigious publications would be, in theory, the ideal places for non-partisan criticism and coverage.

On January 28th, we had a surprise. Folha de S.Paulo, the most important newspaper in Brazil, published an article questioning the quality of journalism in the country. The hook was a cover story of Época, a weekly magazine.

As I’ll argue below, there’s not much meat to Época’s cover story. It appears that its reporters tried very hard to uncover something incriminating, but found only vague implications. Under normal conditions, most magazines might refrain from printing such an inflammatory cover without any proof of wrongdoing. But conditions are far from normal in Brazil at the moment. Suspicion of politicians – and of Rousseff’s government especially – now runs so deep that almost any implication can stick.

Seen this way, the cover may tell us more about the polarization of Brazil’s media and political landscape than it does about Rousseff’s ex-husband.

I did not translate that, the article was actually written in English. Because, sadly, it was not exactly a work from Folha, but from one of its blogs, From Brazil, edited by journalist Vincent Bevins. And the text’s author, Alex Cuadros, is not a member of Folha’s staff – he is a former Bloomberg Businesweek reporter and now works as a freelancer.

That is what it took for a text so hard on journalism – and which actually name names – to be published on the website of Brazil’s most influential newspaper. In other words, there is nothing new in the world of Brazilian press.

As for the piece itself, I have only one note for now. Cuadros writes:

It has long been an article of faith on Brazil’s left that the establishment media – Veja, Época, the Globo media group, and newspapers such as Folha de S.Paulo – are in league to undermine Lula, Rousseff, and their Workers Party. This is an exaggeration. While it’s true that these outlets generally lean to the right of Brazil’s political spectrum (if we define the center according to electoral outcomes since 2000), for the most part their reporting is responsible. Sometimes, it is crucial. In 2012, for example, O Estado de S. Paulo reported on the massively inflated price of a Petrobras refinery in the U.S. – long before Car Wash would uncover signs of embezzlement in the project.

Also, scoops from the establishment media have often exposed scandals involving the current opposition. Perhaps most famously, in a 1997 front-page story, Folha exposed the congressional vote-buying that paved the way for a constitutional amendment to allow President Fernando Henrique Cardoso, Lula’s longtime rival, to run for reelection. (The scandal was never officially investigated.)

But stories like the one I’ve mentioned from Veja, by making spurious leaps based on trumped-up evidence, undermine the credibility of the entire media. Rather than illuminating, they obfuscate, and serve to deepen the already extreme polarization of politics here.

I do not know if he noticed, but the two positive examples he gives are from daily papers, and the two big targets of his attacks are weeklies. Although we can find many errors from the former and big scoops from the latter, I think that makes for a good illustration of the work of the main news publications in Brazil in the last years. Newspapers in general have done a better and more balanced job, while magazines have been using their more analytical and interpretive approach (if not opinionated) to distort the facts at will.

Finally, an anecdote. After the article appeared, Diego Escosteguy, Época’s editor-in-chief, unfollowed Cuadros on Twitter. Ouch. That hurt.