Alexandre Schwartsman versus Luiz Gonzaga Belluzzo: Um Choque-Rei sem vitoriosos

Resumo comentado com os principais textos da polêmica discussão

No final do ano passado, eu inocentemente imaginava que veria em 2015 um abrandamento, ainda que leve, dos ânimos que tanto se exaltaram durante a campanha eleitoral. Pelo visto, a coisa só piorou.

Exemplo cabal disso é o ponto a que chegou o debate entre economistas brasileiros sobre a situação atual do país. A discussão, útil e necessária, descambou para uma baixaria deplorável, que praticamente joga no lixo qualquer contribuição que ela poderia gerar.

O são-paulino Alexandre Schwartsman é, hoje, um dos mais proeminentes nesse debate — seja por seu conhecimento, que deve ser respeitado, seja por sua arrogância, que deveria ser ignorada. Deveria. Mas, às vezes, é impossível. Como foi há algumas semanas, quando, em sua coluna na Folha, ele escreveu um artigo recheado de ofensas ao palmeirense Luiz Gonzaga Belluzzo e outros.

Abaixo, faço um resumo comentado do que aconteceu, usando como fio condutor os principais textos que surgiram na discussão.
Continue lendo “Alexandre Schwartsman versus Luiz Gonzaga Belluzzo: Um Choque-Rei sem vitoriosos”

O otimismo de Bernardo Guimarães com Nelson Barbosa

Bernardo Guimarães foi uma das melhores novidades do ano no jornalismo brasileiro. Tem conhecimento, escreve bem e parece ser intelectualmente honesto. É muito difícil encontrar pessoas que unam essas três qualidades. A Folha acertou em cheio.

Em seu último texto, intitulado “Nelson Barbosa será melhor do que se espera”, diz:

No momento, me parece que Nelson Barbosa tem até mais chance que Joaquim Levy de promover algum ajuste e colocar o país em um rumo um pouco melhor. […]

Porque Joaquim Levy era o estranho no ninho, a parte que não cabia no todo, por mais que ele se esforçasse para parecer o contrário. Isso gerava dois problemas: (1) era muito difícil conseguir apoio para as medidas; e (2) os eleitores não aprendiam.

Agora, com Nelson Barbosa na Fazenda, o PT não pode botar a culpa no “neoliberal infiltrado”. Economistas heterodoxos que antes se opunham às propostas de ajuste fiscal agora serão menos críticos a propostas muito parecidas.

Os eleitores, por sua vez, têm mais uma chance de aprender. Afinal, se o Nelson Barbosa quer o ajuste fiscal, é porque isso deve ser mesmo bom para o país (o efeito Nixon-vai-a-China, que eu expliquei aqui).

E me parece claro que Nelson Barbosa vai fazer o possível para ajustar as contas.

Harm reduction

The Brazilian government had no time to prepare the market for the reduction of the target for the primary fiscal surplus (the budget balance before interest payments) from 1.2 per cent of gross domestic product to 0.15 per cent. The harm-reduction efforts apparently include increasing the media exposure of the finance minister, Joaquim Levy.

In the past last few weeks, he was interviewed by Fernando Dantas, for Agência Estado, and by Miriam Leitão, for her programme on GloboNews. The minister also wrote an article for Folha de S.Paulo (English version here).

Mr Levy cautiously tries to show some optimism and sends messages to the Congress — with no explicit attacks.

Redução de danos

O governo não teve tempo de preparar o mercado para a redução da meta de superavit primário, que passou de 1,1% para 0,15% do PIB. O esforço para diminuir os danos, pelo visto, inclui aumentar a exposição do ministro da Fazenda, Joaquim Levy, na mídia.

Nas últimas semanas, ele foi entrevistado por Fernando Dantas, para a Agência Estado, e por Miriam Leitão, para seu programa na GloboNews. O ministro ainda escreveu um artigo para a Folha de S.Paulo.

De maneira comedida, Levy tenta transmitir certo otimismo e manda recados ao Congresso, mas sem atacá-lo explicitamente.