Os parágrafos de ‘Grande Sertão: Veredas’, parte 2

Como disse em 14 de dezembro, entrei em contato com Ruy Castro perguntando-lhe sobre a coluna em que ele disse que “Grande Sertão: Veredas”, de Guimarães Rosa, não tem parágrafos. Alguns dias depois, recebi uma resposta muito gentil, na qual ele reconhece o equívoco e explica a confusão.

Finalmente, em 20 de dezembro, a Folha publicou a seguinte nota na seção “Erramos”:

Diferentemente do informado na coluna “Chulices e populismos”, de Ruy Castro, o romance “Grande Sertão: Veredas”, de Guimarães Rosa, é sim dividido em parágrafos. O livro não tem a divisão de capítulos.

Mas a correção, aparentemente, saiu apenas na versão impressa do jornal. E a versão online da coluna por enquanto não tem nenhuma observação sobre o erro.

É nisso que dá tomar decisões desastradas como a de acabar com a publicação dos textos da edição impressa no site do jornal.

Os parágrafos de ‘Grande Sertão: Veredas’

Em sua coluna na Folha, Ruy Castro escreveu o seguinte:

Há pouco, caiu-me às mãos uma edição recente do “Grande Sertão: Veredas”, de Guimarães Rosa. Abri-a e gelei. Rosa concebeu seu romance num bloco maciço, de 600 páginas, sem parágrafos, como se a fala do narrador Riobaldo fosse um novelo sem fim, e assim o publicou. As pausas do original estavam na música do texto.

Pois esta edição da Nova Fronteira esquartejou-o em 1.800 parágrafos. A exemplo do que vão fazer com Shakespeare, por que também não o “traduzem” para o português?

Achei estranho ele dizer isso, pois não conheço edição de “Grande Sertão: Veredas” sem parágrafos (ou com apenas um). Entrei em contato com Ruy e com a Nova Fronteira, mas não obtive resposta.

Em um artigo na Granta, Daniel Galera também diz que o livro de Guimarães Rosa não tem parágrafos.

É curioso. Aparentemente, a primeira edição de “Grande Sertão”, da editora José Olympio, já tinha o texto dividido em parágrafos. Eles também aparecem em reproduções de rascunhos do livro datilografados por Rosa, como as exibidas em uma exposição de 2006 no Museu da Língua Portuguesa, em São Paulo.

[Atualização – 22/12] Os parágrafos de ‘Grande Sertão: Veredas’, parte 2