Pedro Fernando Nery: promessas de Guilherme Boulos são ‘incumpríveis’

No Estadão:

Suas promessas são simpáticas, mas por enquanto são promessas incumpríveis.

[…]

Boulos promete que seu primeiro ato será instituir uma renda básica imediata – talvez de R$ 350. Mas nenhum prefeito pode fazer isso por simples decreto: esse aumento de gastos precisa ser autorizado por lei e passar pelo Legislativo.

[…]

A campanha admite não saber quanto custa a promessa do passe livre, que é importante para os desempregados. Os opositores de Boulos afirmam que o passe livre e a renda básica custarão cerca de R$ 25 bilhões por ano. Significaria achar orçamento na cidade para um valor próximo ao custo do Bolsa Família em todo o Brasil.

[…]

Soluções mais efetivas seriam uma reforma tributária e uma reforma previdenciária municipal. É possível aumentar o IPTU e o ITBI de forma progressiva, tributando mais os imóveis de maior de valor, e rever a tributação fixa do ISS (imposto sobre serviços) sobre autônomos. Não é justo que profissionais que ganhem milhões paguem o mesmo ISS do que os que ganham pouco.

[…]

A despesa na seguridade social dos servidores é de cerca de R$ 10 bilhões e crescente, em benefício de uma minoria. Uma transferência de renda que custa o equivalente a quase 2 milhões de rendas básicas. Boa parte desse dinheiro deve se concentrar em bairros mais ricos, não na periferia.

Não é justo que uma cidade em que 3 milhões dependeram do auxílio continue permitindo que servidores se aposentem em média ao redor dos 50 anos com os maiores salários de suas carreiras (que foram estáveis, aliás).

[…]

Boulos precisará escolher entre sua base de servidores e profissionais liberais ou a periferia da renda básica para realmente fazer diferença.

Ombudsman da ‘Folha’ decepciona ao falar sobre novo colunista

Geralmente, os textos mais fracos do ou da ombudsman da Folha são os que defendem o jornal. A última coluna de Vera Guimarães Martins não foge à regra.

Os leitores, pelo visto, também não ajudaram. A julgar pelo teor dos trechos publicados por Vera, grande parte das mensagens dos leitores questionou a idade e as posições políticas de Kim Kataguiri, novo colunista do jornal. São críticas fracas.

O problema de Kataguiri não é ser jovem, liberal ou de direita, mas a sua incapacidade de fazer um discurso qualificado. A quem interessa um articulista com ideias medíocres e mal argumentadas? Não ao leitorado mais exigente.

Talvez leitores menos qualificados, que se “informam” loucamente pelo Facebook (onde também vociferam suas opiniões), tenham gostado da decisão da Folha. Faz sentido. A contratação de Kataguiri como colunista é um claro exemplo da contaminação do jornalismo pelas redes sociais. O “textão de Facebook” ganhou espaço como coluna de jornal.

Infelizmente Vera não abordou essas questões em seu artigo.

Outra mancada foi citar Guilherme Boulos como uma espécie de contrapeso. Isso é mais ou menos como aquele juiz que erra ao marcar pênalti para um time e depois procura compensar fazendo o mesmo para o adversário. Ora, um erro não justifica o outro. Teria sido melhor simplesmente encerrar a coluna de Boulos.

Não sei bem quem ganha com essa baixaria toda. Mas certamente o jornalismo perde.