A miséria da crítica jornalística

Fechar os olhos para erros e imprecisões é péssimo para o jornalismo; pior para uma ombudsman

No fim de dezembro, a Folha de S.Paulo publicou uma versão resumida do meu artigo “A imprensa e a hidroxicloroquina“, no qual mostrei erros do jornal na cobertura sobre o medicamento.

Era uma crítica jornalística, não uma defesa do uso da droga, como muitos erroneamente entenderam. Não me posicionei sobre essa questão. O foco era outro: os erros da imprensa.

Até para evitar esse desentendimento, destaquei a posição de um especialista em hidroxicloroquina que é contra o seu uso fora de ensaios clínicos. E não disse se concordo ou discordo dele, pois isso pouco importava para a discussão.

Não adiantou. Errei. Deveria ter sido mais explícito. Expressei-me mal e subestimei o viés cognitivo que leva pessoas a interpretar equivocadamente a apresentação de ideias contrárias às delas. O texto original é bem mais nuançado (irônico, eu sei) e detalhado, por isso acredito que boa parte das discórdias deveu-se a erros que cometi ao tentar sintetizá-lo.

Deparei-me ainda com muitas afirmações vagas e imprecisas, que nada acrescentam e só agradam a torcedores que aplaudem de maneira quase automática qualquer defesa de suas opiniões, mesmo quando mal argumentada.

A ombudsman da Folha, em seu texto mais recente, apelou para essa retórica. Disse que o meu artigo “enxerga erro onde ele não existe” sem apontar especificamente onde errei – uma acusação vaga. Em contraste, fui explícito e exato ao mostrar as falhas do jornal.

No único trecho em que foi mais específica, ela errou. Disse que uma das reportagens citadas “apresenta todos os elementos de que o autor diz sentir falta na cobertura”. A reportagem de fato tem elementos ausentes em outros textos, mas o erro que apontei nela foi outro: o ceticismo parcial, com citação a um estudo fraudulento com resultados contra a hidroxicloroquina.

A colunista ignorou essa grave falha (e todas as outras) e desviou o foco para os pontos positivos da reportagem, uma decisão no mínimo curiosa para uma ombudsman.

Será que, para ela, ser cético com apenas um dos lados do debate é um erro que “não existe”? Citar como legítimo um estudo fraudulento é um erro que “não existe”? A que ponto chegamos: uma ombudsman que fecha os olhos para os erros do próprio veículo.

Ironicamente, quem apontou um erro que não existe foi ela, ao acusar a Folha de “recorrer novamente à fórmula” de opor “um texto a favor, outro contra” o medicamento.

Meu artigo não era contra ou a favor da hidroxicloroquina; era simplesmente contra a cobertura que a imprensa tem feito. Na versão publicada no jornal, destaquei um cientista que é contra o uso da droga fora de ensaios clínicos. Como a opinião dele “poderia pôr em risco a saúde de muitos”, como sugere a ombudsman?

Muitos leitores acharam que defendi o uso da hidroxicloroquina, mas eles apenas interpretaram mal o texto resumido, publicado na Folha. O caso da ombudsman é bem pior, pois ela leu a versão mais longa, que praticamente não dá margem para essa leitura equivocada (digo explicitamente: “Não quero defender aqui nenhuma das posições apresentadas”).

Quando lhe enviei o texto completo, em novembro, ela me respondeu como se eu estivesse apoiando o uso do medicamento e – assim como depois faria em sua coluna – não abordou nenhum dos pontos por mim levantados. Disse-lhe, então: o texto não é uma defesa da droga. Mesmo depois disso, ela insistiu nessa interpretação equivocada em sua coluna. O que explica um absurdo desses?

Ela ainda escreveu o seguinte:

Muitos leitores me mandam textos para publicação e encaminho as sugestões para a seção Tendências / Debates ou para a editoria correspondente.

Para ficar em um exemplo mais recente, o ex-ministro Aloizio Mercadante pediu (e não levou) espaço para questionar a reportagem cujo título nas redes foi “Década colocou os negros na faculdade, e não (só) para fazer faxina“, e cuja façanha é não mencionar, em nenhum momento, que a Lei de Cotas foi aprovada no governo Dilma Rousseff.

O texto sobre a cloroquina foi mandado à ombudsman e encaminhado à seção Tendências / Debates. Teve mais sorte.

Esse trecho é curioso. Primeiro, a sua utilidade no artigo é praticamente nula. Mercadante levou uma cutucada gratuita, e a citação a ele ainda gerou um “erramos“.

Segundo, a ombudsman deu a entender que encaminhou o meu texto à seção “Tendências / Debates”. E emendou com isto:

A decisão sobre o que é publicado na seção Tendências / Debates cabe à editoria de Opinião, ouvida a Direção de Redação. Entre os critérios para a escolha estão qualidade do artigo, relevância e oportunidade do tema e representatividade do autor—fatores que tornam a publicação do texto ainda mais intrigante.

Se o meu artigo não tinha qualidade, se o tema não tinha relevância e se eu não tenho “representatividade” (?), por que ele foi encaminhado para “Tendências / Debates”? Se a ombudsman achou o meu texto tão ruim, nem deveria ter perdido tempo encaminhando-o, certo?

Ou será que não foi ela quem o encaminhou? Nesse caso, deveria ter sido mais clara no trecho anterior.

A menção a “representatividade” beira um ataque pessoal e pouco acrescenta ao debate. Muitos costumam avaliar um discurso baseados principalmente nas posições defendidas e nas credenciais de seus autores, não na qualidade dos argumentos. A ombudsman parece cometer esse equívoco.1 Se o meu texto adotasse o mesmo discurso equivocado que domina a imprensa (e seria muito fácil redigir um assim), minha “representatividade” provavelmente passaria longe de ser questionada.

A colunista também foi vaga ao tentar explicar a “intrigante” publicação do meu texto – em vez de investigar e revelar os reais motivos (eu adoraria conhecê-los), limitou-se a citar uma série de hipóteses. Uma delas seria a “tentativa […] de colher mais um punhado de cliques”.2 Não deve ser (apenas) isso, pois o artigo foi publicado também no jornal impresso.

Ela ainda falou em “consenso da comunidade científica” sem mostrar evidências desse consenso nem explicar que comunidade é essa. Como esse consenso foi mensurado, exatamente? O “dissenso merece um tratamento mais cuidadoso”, reclamou. Dissenso em relação ao quê? Só se for a um aparente consenso jornalístico.

Afinal, como seria possível falar em consenso científico quando há tanta discordância entre pesquisadores qualificados? A incerteza aparece explicitamente mesmo em estudos com resultados contra o uso da hidroxicloroquina e em declarações dos seus autores.

Peter Horby, condutor do importante estudo Recovery, não descarta a possibilidade de que uma dose mais baixa da droga ou o tratamento em fases mais iniciais da doença possam “ter um efeito diferente daqueles observados” em seu ensaio.

David Boulware, que trabalhou em vários estudos, também não descarta a possibilidade de o medicamento ter algum efeito. É possível que ele “seja mais eficaz em populações com maior risco de complicações”, diz um de seus trabalhos.

As diretrizes da Organização Mundial de Saúde dizem que “a hidroxicloroquina e a cloroquina provavelmente não reduzem a mortalidade ou a ventilação mecânica e podem não reduzir a duração da hospitalização_” e que “o efeito sobre outros resultados […] permanece incerto” (grifos meus).

Uma réplica ao meu artigo afirmou que toda essa incerteza seria “irrelevante o suficiente para que a imprensa possa tratar essa ineficácia como ‘comprovada'”. Incrivelmente, a ombudsman aparentou concordar com isso. Tratar incerteza como algo comprovado, para mim, é erro. É descrição imprecisa da realidade, outro mal comum no jornalismo. Aprovar uma atitude dessas é incentivar mais imprecisão no jornalismo, e disso ele já está cheio. (Os poucos colegas que fiz na profissão podem atestar a minha intolerância a erros e imprecisões.)

Com comparações exageradas, a réplica ainda pareceu ignorar a possibilidade de fazer uma cobertura cética sem ressalvas absurdas. Sobre o assunto, vale ler o texto “Science journalism and the art of expressing uncertainty” (jornalismo de ciência e a arte de expressar incerteza), do estatístico Andrew Gelman, que contém boas sugestões para melhorar o trabalho dos jornalistas. O ceticismo, diz ele, deve ser exercido para transmitir aos leitores “uma sensação de incerteza, que é central para o processo científico”.

A crítica jornalística praticamente inexiste nos veículos tradicionais da imprensa brasileira. O principal espaço para esse exercício é, provavelmente, a coluna da ombudsman na Folha. A sua atual titular abusa de acusações vagas, fecha os olhos para os erros do seu veículo e, pelo visto, até apoia um jornalismo mais impreciso – desde que não contrarie certo discurso.

Um momento desalentador para o jornalismo e a crítica de mídia no Brasil.

Críticas são bem-vindas, desde que bem fundamentadas. Vale repetir: as pessoas precisam dar mais valor à qualidade dos argumentos e menos às posições defendidas e às credenciais de seus autores.


  1.  Esse é outro defeito comum no jornalismo. Há muito espaço para pessoas com “representatividade” e argumentos ruins e pouco espaço para desconhecidos com argumentos bons. Mas isso fica para outra discussão.

  2.  Não nego que ficaria desapontado se os cliques fossem o principal motivo da publicação – são um dos principais motivos pelos quais me afastei do jornalismo online.

A imprensa e a hidroxicloroquina

Jornalismo sem ceticismo e nuance passa a ideia de certeza onde ela não existe

A hidroxicloroquina é comprovadamente ineficaz contra a Covid-19. O seu uso já foi descartado. Não existe evidência a favor. Essa é uma questão superada. Esse é o consenso científico.

Muita gente teoricamente bem informada acredita piamente em algumas das afirmações acima. Ou mesmo em todas. O problema? Nenhuma delas está correta.

Quer dizer que a hidroxicloroquina funciona? Não sabemos. Esse é o ponto. Ainda há dúvidas sobre a eficácia da droga, mas há meses a imprensa passa a ideia de que existe uma certeza: não funciona. E, no esforço de fortalecer esse discurso, o jornalismo comete uma série de erros.

“Imprensa”, aqui, é a mídia mainstream, formada por veículos com maior alcance, influência e credibilidade, como Folha de S.Paulo, O Estado de S. Paulo, O Globo e Rede Globo. E “gente teoricamente bem informada” é o grupo de pessoas que costuma se informar principalmente por esses canais.

Abaixo, mostro algumas dessas falhas jornalísticas e a incerteza que ainda existe sobre o uso da hidroxicloroquina para Covid-19. Os exemplos são todos da Folha apenas por ser o veículo brasileiro que mais acompanho. Seus principais concorrentes, de qualquer maneira, têm feito um trabalho de nível semelhante, quando não pior.

Parcialidade e falta de ceticismo

Em editorial no dia 9 de setembro, a Folha afirma: “Centenas de grupos de pesquisa as escrutinaram e a conclusão é que, se elas [cloroquina e hidroxicloroquina] têm efeito sobre a moléstia, é pequeno demais e não compensa o risco dos graves efeitos adversos que podem produzir.”

Um levantamento dessa magnitude mereceria uma reportagem própria – não apenas um parágrafo em um editorial – mostrando quais foram essas centenas de grupos e como foi essa escrutinação que chegou a uma conclusão que parece até mágica de tão certeira.

Prossegue o texto: “Desde maio, a recomendação quase unânime de reguladores e associações médicas é que não sejam utilizadas para tratar a Covid-19.”

Esse seria outro fato digno de uma matéria própria. Se alguém fez a sondagem da posição de “reguladores e associações médicas” do mundo todo sobre o uso das drogas – e acompanhou isso desde maio –, por que o jornal não mostrou?

As duas afirmações da Folha parecem um tanto duvidosas. Afinal, houve apuração ou apenas chute?

Sem evidências claras – algo que jornalistas cobram tanto do presidente Jair Bolsonaro –, o texto procura reforçar a ideia de que a ineficácia da hidroxicloroquina seria um fato, uma certeza.

Meses antes, em 24 de julho, outro editorial já proclamava: “Governo insiste na cruzada pela hidroxicloroquina, comprovadamente ineficaz”.

Aqui, dois problemas. Primeiro, se a droga fosse de fato “comprovadamente ineficaz”, por que tantos cientistas continuaram – e continuam – a estudá-la?1 Alguém estava errado: o jornal ou os cientistas.

Segundo, a Folha aparentemente escreveu isso motivada por um estudo publicado no dia anterior no New England Journal of Medicine (NEJM). Talvez levada pelo calor da discussão, ela aceitou apressadamente os seus resultados, sem demonstrar um pingo de ceticismo ou aguardar a reação de outros cientistas.

Realizado no Brasil, o estudo recebeu ampla cobertura positiva na mídia do país. A reportagem da Folha basicamente reproduz as suas conclusões e não menciona nenhuma das limitações listadas no próprio NEJM – parece até um press release. (Press releases de ciência não costumam ser muito diferentes dos de outras áreas – exageram a qualidade e a importância e diminuem ou escondem as fraquezas do material propagandeado.)

Cabe notar que a Folha (assim como o Estadão) teve acesso antecipado ao conteúdo da pesquisa, incluindo entrevistas com alguns de seus autores. Pelo visto, até houve tempo para fazer um texto mais equilibrado, mas o jornal deliberadamente optou por uma cobertura acrítica. Com isso, ficaram satisfeitos o jornal e as suas fontes – o primeiro, ao ganhar acesso privilegiado, e as últimas, ao ganhar propaganda (que incluiu também chamada na primeira página da edição impressa).

Todos ganharam, então? Infelizmente não. Nessa troca de favores, quem perdeu foi o leitor.

Os textos supracitados evidenciam um dos grandes problemas do jornalismo de ciência: a falta de ceticismo (ironicamente, um elemento básico tanto do jornalismo quanto da ciência).

Claro, nem sempre é assim. As reportagens “Site faz placar de pesquisas pró e contra uso de cloroquina” (22 de agosto) e “Novos artigos sobre hidroxicloroquina e Covid-19 levantam ‘debate estatístico’” (17 de outubro), por exemplo, abordam com bastante ceticismo estudos que sugerem a possibilidade de as drogas terem efeitos positivos.

Elas, porém, expõem outros problemas na cobertura.

A matéria sobre o “debate estatístico” inclui entrevista com cinco pessoas, das quais quatro atacam as meta-análises que sugerem um possível benefício no uso da hidroxicloroquina. A única a defendê-las é a que tem um domínio melhor de estatística, mas isso não fica claro no texto. Parece até que a proposta era colocar um número maior de entrevistados contra as meta-análises, sem se importar com o conhecimento de estatística de cada um deles – decisão completamente questionável dado o título da matéria.

O texto sobre o “placar de pesquisas” tem mais problemas. Ele diz que “a comunidade científica tende a duvidar do potencial dessas duas drogas contra a Covid-19” – uma afirmação um tanto duvidosa, que parece ser mais suposição do que fato. Quem fez essa pesquisa envolvendo toda a “comunidade científica”? E como se chegou a tão estranha conclusão (“tende a duvidar”)?

No esforço de desacreditar qualquer discurso possivelmente a favor das drogas, o jornal usa e abusa de afirmações vagas e imprecisas.

A coisa piora neste trecho: “A briga se aqueceu mais quando um trabalho que apontava riscos da cloroquina, publicado na revista The Lancet, foi questionado. Houve acusações, sem provas, de que os autores teriam motivações políticas e financeiras.”

Essa é uma péssima síntese do caso, pois subestima a sua gravidade e passa a ideia de que o estudo tem alguma credibilidade – afinal, saiu na Lancet –, com o único porém de ter sido alvo de acusações “sem provas” sobre as motivações dos autores.

Na verdade, o caso foi extremamente grave, tratado por muitos como um “escândalo”.2 O estudo usou dados aparentemente falsos fabricados por uma empresa e acabou sendo retratado (ou seja, teve a sua publicação cancelada) pela Lancet. Richard Horton, editor-chefe da revista, chamou o trabalho de uma “fraude monumental”. O mesmo destino teve outro artigo, publicado no NEJM, que tinha alguns dos mesmos autores e usava dados suspeitos da mesma empresa.

A reportagem da Folha aborda com imenso ceticismo argumentos a favor da hidroxicloroquina, mas cita como se fosse legítimo um estudo retratado que tinha resultados contra a droga. Um completo absurdo.

O exemplo do estudo da Lancet é extremo, mas ilustra bem como a imprensa trata de maneira muito diferente estudos com resultados contra e a favor do medicamento.

Alguém pode alegar que as pesquisas que não encontraram benefícios foram publicadas em periódicos mais importantes, mas isso no máximo poderia justificar um ceticismo menor em relação a elas, nunca um ceticismo inexistente. É indefensável a cobertura acrítica de trabalhos científicos, independentemente do que digam, de onde tenham sido publicados ou de quem sejam os seus autores.

Esse problema também aparece em “É urgente que a cloroquina seja abandonada para qualquer fase da Covid-19, diz Sociedade de Infectologia” (17 de julho), em que dois estudos que dizem não ter encontrado eficácia no uso da hidroxicloroquina são apresentados de maneira extremamente positiva, apenas com uma rápida menção a uma limitação de um deles (publicado na Annals of Internal Medicine).

A reportagem passa a ideia de que, por serem ensaios randomizados controlados (“padrão-ouro”), eles teriam boa qualidade, embora haja inúmeras ocorrências de falhas graves em trabalhos desse tipo – e mesmo os dois citados no texto foram bastante criticados. Ela ainda erra ao descrever o estudo publicado na Clinical Infectious Diseases como duplo-cego (uma característica positiva), o que ele não é.

O texto não é demasiadamente complacente apenas com os estudos mencionados, mas também com a Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI), cuja posição não é questionada em momento algum. Tivemos mais uma matéria com tom de press release.

O informe da entidade diz, entre outras coisas, que “a SBI acompanha a orientação que está sendo dada por todas [as] sociedades médicas científicas dos países desenvolvidos e pela Organização Mundial de Saúde (OMS) de que a hidroxicloroquina deve ser abandonada em qualquer fase do tratamento da COVID-19” – uma afirmação, parece-me, digna de questionamento.

Quem fez o levantamento da orientação de “todas” (!) as “sociedades médicas científicas dos países desenvolvidos”? Ele foi publicado em algum lugar? Seria bom saber mais detalhes.

Para piorar, a reportagem inclui apenas uma posição contrária à da SBI: a do governo brasileiro. Ora, ter Bolsonaro e seus asseclas como antagonistas em um debate científico é algo para se comemorar (pelo menos para quem prefere adversários fracos), de maneira que a única oposição à SBI no texto acaba fortalecendo o discurso da entidade.

Muita certeza e pouca nuance

Esse tem sido outro defeito da cobertura: há um enorme destaque para figuras intelectualmente toscas que defendem irresponsavelmente o uso da hidroxicloroquina e quase nenhum para pesquisadores que fazem críticas sérias aos estudos sobre a droga.

É um ponto em que o jornal tem se aproximado das redes sociais, nas quais declarações polêmicas e sem fundamento geram muito mais repercussão do que comentários técnicos e ponderados.

Isso acaba por gerar a impressão de que apenas pessoas do nível de Donald Trump, Jair Bolsonaro, Osmar Terra, Marco Feliciano, Carla Zambelli e Arthur Weintraub desconfiam dos trabalhos que não veem eficácia na hidroxicloroquina. “De um lado, a ciência; de outro, ignorantes que politizaram a discussão.”

É uma simplificação errônea, que reforça estereótipos e dá pouco ou nenhum espaço para vozes importantes, com conhecimento e experiência.

Uma delas é a de Nicholas White, cientista com currículo primoroso que trabalha no Mahidol Oxford Tropical Medicine Research Unit e atualmente conduz o Copcov, um grande estudo randomizado controlado sobre a eficácia da cloroquina e da hidroxicloroquina na prevenção de Covid-19 em profissionais de saúde.

Para ele, o quadro ainda não é claro e há afirmações exageradas sobre o risco. Talvez as drogas possam ajudar na prevenção ou no tratamento precoce – faltam estudos para confirmar ou descartar isso –, e elas são seguras quando administradas com o devido cuidado.

Essas posições foram expostas com mais detalhes em uma análise publicada no PLOS Medicine, na qual White e os coautores afirmam que a ausência de benefício da droga em pacientes hospitalizados, cuja evidência é forte, foi extrapolada para a ausência de benefício em outros casos, cuja evidência é fraca – uma extrapolação “injustificável”.

Esse é um ponto que merece mais destaque. Frequentemente vemos resultados de ensaios com pacientes hospitalizados usados como argumentos contra um possível benefício da droga no tratamento precoce. É uma retórica enganosa, e a imprensa, ao misturar tudo e não fazer a devida distinção dos casos, confunde o debate. Muitas vezes o tratamento precoce é mencionado apenas en passant, como se a discriminação entre ele e o tratamento de pacientes hospitalizados fosse pouco importante.

Mas ela é importante. Primeiro, é comum uma droga apresentar diferentes efeitos dependendo da fase do tratamento. Segundo, a parte mais interessante do debate, em que residem as maiores incertezas, é justamente a que envolve a prevenção e o tratamento precoce.

São essas incertezas, por sinal, que levam White e seus colegas a não recomendar o uso da hidroxicloroquina e da cloroquina em tratamentos fora de ensaios clínicos.

Essa posição deve ser ressaltada porque muitos enxergam uma quase necessária correlação entre 1) criticar a ideia de que as drogas são comprovadamente ineficazes e 2) defender o seu uso em tratamentos médicos. White e seus colegas mostram que é perfeitamente possível fazer o primeiro e não fazer o segundo.

Da mesma maneira, dizer “talvez a hidroxicloroquina funcione” não necessariamente significa dizer “ela já deve ser utilizada”.

Tal nuance tem se perdido no debate divulgado pela imprensa, que prefere repercutir os dois extremos – gente que defende a droga fervorosamente, como se ela fosse uma bala de prata, e gente que a ataca sem pensar, como se a sua ineficácia fosse inquestionável. Isso reforça uma polarização que em nada ajuda o debate – na verdade, pode até estar atrapalhando a sua resolução.

Como?

Ao propagar um discurso sem nuance e polarizado, a mídia colaborou para chegarmos a este estado em que poucos têm dúvidas e muitos têm certezas. Isso dificulta a realização de ensaios clínicos maiores e melhores do que os já feitos.

Um público que tem certeza de que as drogas são ineficazes não aceitará participar de ensaios clínicos randomizados – se não funcionam (e ainda são perigosas), por que se arriscar? No outro extremo, quem tem certeza de que elas são eficazes também não tem motivos para entrar em estudos.

Ficamos mais longe de uma resposta a cada vez que a cloroquina e a hidroxicloroquina saem nas manchetes, disse-me White, em conversa por e-mail.

A imprensa precisa dar mais espaço para a incerteza.

“Geralmente, e particularmente no contexto da Covid-19, a certeza é o reverso do conhecimento”, dizem George Davey Smith, Marcus Munafò (ambos da University of Bristol) e Michael Blastland (escritor) em artigo no BMJ no qual criticam pessoas que aparentam saber “exatamente o que está acontecendo e o que fazer a respeito”.

Seu principal alvo não são “aqueles que insistem que a hidroxicloroquina salvará todos nós”, mas “as muitas pessoas racionais com credenciais científicas fazendo pronunciamentos públicos assertivos sobre a Covid-19 que parecem sugerir que não pode haver motivos legítimos para discordar delas”. O recado serve também para muitos jornalistas.

Quanto mais certeza alguém tem sobre a Covid-19, menos você deve confiar nela, dizem os autores. Eles sugerem ouvir “aqueles que respeitam a incerteza” e que reconhecem evidências contrárias mesmo às suas convicções mais fortes.

Como em tantos assuntos, é entre os extremos que podemos encontrar informação mais rica, mas ela é ignorada em um ambiente que se limita a discutir “funciona” versus “não funciona”, desprezando o “talvez (não) funcione”.

Diversidade de visões

James Watson, que trabalha com White e compartilha de suas opiniões sobre a hidroxicloroquina, foi um dos primeiros cientistas a chamar a atenção para os problemas no estudo retratado da Lancet.

Suas preocupações levaram à elaboração de uma carta aberta que teve grande repercussão entre a comunidade científica e certamente contribuiu para a retratação do estudo. Sua lista de signatários – são mais de 100 – é uma bela amostra da diversidade de pontos de vista sobre a eficácia e o uso da hidroxicloroquina.

Um deles é Peter Horby (University of Oxford), que conduz o Recovery, um ensaio randomizado controlado que busca comparar diferentes tratamentos para casos suspeitos ou confirmados de Covid-19 em pacientes hospitalizados. Até o momento, ele teve resultados positivos para o uso de dexametasona e negativos para os usos de lopinavir-ritonavir e de hidroxicloroquina. Horby, porém, não descarta a possibilidade de que uma dose mais baixa desta última ou o tratamento em fases mais iniciais da doença possam “ter um efeito diferente daqueles observados no Recovery”. Assim como White, ele é contra o uso da hidroxicloroquina fora de ensaios clínicos.

Outro signatário, David Boulware (University of Minnesota), trabalhou em alguns dos estudos mais citados sobre a eficácia da hidroxicloroquina em casos de Covid-19. Todos têm a mesma conclusão: não há benefício. Ainda assim, ele não descarta a possibilidade de a droga ter algum efeito e declarou diversas vezes que apoia a realização de outros ensaios. Essas posições também estão expostas nos próprios textos dos estudos,3 mas em nenhum momento foram mencionadas pela Folha, que o entrevistou duas vezes. Quem conhece Boulware apenas pelo jornal pode ter uma impressão errada sobre a sua opinião.

Francois Balloux (University College London) acredita que o medicamento possa ter algum benefício para profilaxia e tratamento precoce.

A carta de Watson incluiu também pesquisadores com posições mais fortes a favor da hidroxicloroquina, como William O’Neill e Marcus Zervos (Henry Ford Hospital), que publicaram um polêmico e criticado estudo com resultados favoráveis ao uso da droga.

Eles são coautores de um artigo publicado no American Journal of Medicine que propõe um protocolo de tratamento precoce com hidroxicloroquina e azitromicina, além de zinco. Assinado por vários nomes de destaque – como Peter McCullough (Baylor University Medical Center; autor principal), Harvey Risch (Yale University), James Tumlin (Emory University School of Medicine), Nevin Katz (Johns Hopkins School of Medicine) e Gaetano de Ferrari (Università di Torino) –, o texto traz diferentes recomendações para pacientes de baixo e de alto risco.

Logo nos primeiros dias dos sintomas, diz o artigo, pacientes com alto risco devem tomar zinco e hidroxicloroquina com azitromicina. Os de baixo risco, por sua vez, devem tomar apenas zinco – hidroxicloroquina e azitromicina entram no tratamento apenas se a situação não melhorar. Isso porque, segundo os autores, pessoas saudáveis costumam se recuperar por conta própria – entre elas, a mortalidade é baixa, e os sintomas costumam ser mínimos. Para alguns, talvez seja surpreendente: mesmo um texto que defende fortemente o uso de hidroxicloroquina tem as suas nuances.

O mesmo pode ser visto na posição oposta. As diretrizes da Organização Mundial de Saúde para tratamento contra Covid-19, que incluem “forte recomendação” contra o uso de hidroxicloroquina ou cloroquina, dizem o seguinte (grifos meus):

A hidroxicloroquina e a cloroquina provavelmente não reduzem a mortalidade ou a ventilação mecânica e podem não reduzir a duração da hospitalização. A evidência não exclui o potencial de um pequeno aumento no risco de morte e ventilação mecânica com hidroxicloroquina. O efeito sobre outros resultados menos importantes – incluindo tempo para resolução dos sintomas, admissão no hospital e duração da ventilação mecânica – permanece incerto.

Essas diretrizes são baseadas em uma grande revisão e meta-análise de ensaios randomizados controlados feita por uma equipe com vários especialistas em metodologia. A última versão do trabalho (17 de dezembro) inclui este trecho (grifos meus):

A hidroxicloroquina, o lopinavir-ritonavir e a interferona beta podem não reduzir a mortalidade ou a ventilação mecânica, e parece improvável que tenham quaisquer outros benefícios. Os efeitos da maioria das intervenções com drogas são, atualmente, muito incertos, e nenhuma evidência definitiva existe de que outras intervenções resultem em benefícios e danos importantes para quaisquer resultados.

Os trechos em grifo mostram uma nuance que tem sido ignorada pela imprensa. As palavras “uncertain”, “uncertainty” e “uncertainties” aparecem 17 vezes nas diretrizes da OMS e sete vezes na revisão e meta-análise.

Cientistas que veem alguma chance de benefício no uso da hidroxicloroquina (independentemente de serem contra ou a favor do uso fora de ensaios clínicos) parecem concordar pelo menos em um ponto: se ela tiver algum efeito, será para prevenção ou tratamento precoce.

Aliás, se temos algo próximo de um “consenso científico” nesse debate todo, é justamente este: a droga aparentemente não funciona em pacientes hospitalizados, com sintomas mais graves ou em fase mais avançada de Covid-19.

Não quero defender aqui nenhuma das posições apresentadas – obviamente, todas também estão sujeitas a críticas; minha intenção é apenas mostrar como elas são variadas.

A ciência tem incertezas. O debate tem nuances. E a imprensa não tem mostrado isso.

A cobertura acrítica e sem ceticismo favorecendo um discurso único, a caracterização estereotipada de quem ousa questionar esse discurso, a atenção exagerada aos extremos do debate e a falta de nuance ao tratar o assunto evidenciam a baixa qualidade do trabalho da imprensa – justamente em um momento em que ela é tão necessária.


  1.  No momento, a base de dados ClinicalTrials.gov exibe quase 150 estudos com a hidroxicloroquina previstos ou em andamento.

  2.  ;Dois exemplos de matérias que usaram a palavra “escândalo” para o caso dos estudos retratados da Lancet e do NEJM:

  3.  Trechos de estudos com participação de David Boulware nos quais os próprios autores deixam em aberto a possibilidade de a hidroxicloroquina mostrar algum benefício em casos de Covid-19. Essa postura cautelosa e as limitações dos trabalhos costumam ser ignoradas pela imprensa.

    • David R. Boulware et al. “A randomized trial of hydroxychloroquine as postexposure prophylaxis for Covid-19”. The New England Journal of Medicine:

      However, the predictive power of this case definition is unknown, particularly in the younger populations that we studied; given the small number of PCR tests, it remains theoretically possible that hydroxychloroquine therapy limits proven infection.

      […]

      Whether preexposure prophylaxis would be effective in high-risk populations is a separate question, with trials ongoing.

    • Caleb P. Skipper et al. “Hydroxychloroquine in nonhospitalized adults with early Covid-19”. Annals of Internal Medicine:

      Our population was relatively young with 77% of participants being aged 50 years or less, with few comorbid conditions; thus, our trial findings are most generalizable to such populations. It is possible that hydroxychloroquine is more effective in populations at higher risk for complications, such as older persons in long-term care facilities.

      […]

      This trial may not inform whether an effect would be observed in populations at higher risk for severe COVID-19. Further randomized controlled clinical trials are needed in early COVID-19.

    • Radha Rajasingham et al. “Hydroxychloroquine as pre-exposure prophylaxis for Covid-19 in healthcare workers: A randomized trial”. Clinical Infectious Diseases:

      There was no statistically significant reduction in the incidence of Covid-19 in our trial. However, investigation into more frequent dosing may be warranted.


Referências

Jornais e revistas

  1. Cloroquina encalhada”. Editorial. Folha de S.Paulo, 9 de setembro de 2020.

  2. Sem cura”. Editorial. Folha de S.Paulo, 24 de julho de 2020.

  3. Mônica Bergamo. “Hidroxicloroquina não tem eficácia, diz maior estudo brasileiro sobre a droga”. Folha de S.Paulo, 23 de julho de 2020.

  4. Fabiana Cambricoli. “Maior estudo brasileiro mostra que hidroxicloroquina não funciona para caso leve e moderado de covid”. O Estado de S. Paulo, 23 de julho de 2020.

  5. Capa da edição de 24 de julho de 2020. Folha de S.Paulo, 24 de julho de 2020.

  6. Gabriel Alves. “Site faz placar de pesquisas pró e contra uso de cloroquina”. Folha de S.Paulo, 22 de agosto de 2020.

  7. Ana Bottallo. “Novos artigos sobre hidroxicloroquina e Covid-19 levantam ‘debate estatístico’”. Folha de S.Paulo, 17 de outubro de 2020.

  8. Roni Caryn Rabin. “The pandemic claims new victims: Prestigious medical journals”. The New York Times, 14 de junho de 2020.

  9. Phillippe Watanabe, “É urgente que a cloroquina seja abandonada para qualquer fase da Covid-19, diz Sociedade de Infectologia”. Folha de S.Paulo, 17 de julho de 2020.

  10. Gustavo Uribe, Daniel Carvalho. “Bolsonaro diz que ficou com pecha de genocida por defender a cloroquina”. Folha de S.Paulo, 8 de setembro de 2020.

  11. Projeto Comprova. “Deputado engana ao afirmar que pesquisa comprova eficácia da hidroxicloroquina”. Folha de S.Paulo, 5 de setembro de 2020.

  12. Projeto Comprova. “Site engana ao afirmar que poucas mortes por Covid-19 em Cuba são por conta da hidroxicloroquina”. Folha de S.Paulo, 28 de julho de 2020.

  13. Projeto Comprova. “Estudo distorce dados para dizer que hidroxicloroquina evitou mortes pela Covid-19”. Folha de S.Paulo, 4 de outubro de 2020.

  14. Charles Piller. “Who’s to blame? These three scientists are at the heart of the Surgisphere Covid-19 scandal”. Science, 8 de junho de 2020.

  15. Catherine Offord. “The Surgisphere scandal: What went wrong?”. The Scientist, 1º de outubro de 2020.

Periódicos acadêmicos

  1. Alexandre B. Cavalcanti et al. “Hydroxychloroquine with or without azithromycin in mild-to-moderate Covid-19”. The New England Journal of Medicine, 382 (2020): e102.

  2. Mandeep R. Mehra et al. “Hydroxychloroquine or chloroquine with or without a macrolide for treatment of Covid-19: A multinational registry analysis”. The Lancet, 22 de maio de 2020.

  3. Mandeep R. Mehra et al. “Cardiovascular disease, drug therapy, and mortality in Covid-19”. The New England Journal of Medicine, 382 (2020): e102.

  4. Caleb P. Skipper et al. “Hydroxychloroquine in nonhospitalized adults with early Covid-19”. Annals of Internal Medicine, 173 (2020): 623–631.

  5. Radha Rajasingham et al. “Hydroxychloroquine as pre-exposure prophylaxis for coronavirus disease 2019 (Covid-19) in healthcare workers: A randomized trial”. Clinical Infectious Diseases, (2020): ciaa1571.

  6. Nicholas J. White et al. “Covid-19 prevention and treatment: A critical analysis of chloroquine and hydroxychloroquine clinical pharmacology”. PLOS Medicine, 17, 9 (2020): e1003252.

  7. George Davey Smith et al. “Covid-19’s known unknowns”. The BMJ, 371 (2020): m3979.

  8. Recovery Collaborative Group. “Dexamethasone in hospitalized patients with Covid-19 — Preliminary report”. The New England Journal of Medicine, 17 de julho 2020.

  9. Recovery Collaborative Group. “Lopinavir–ritonavir in patients admitted to hospital with Covid-19 (Recovery): A randomised, controlled, open-label, platform trial”. The Lancet, 396, 10259 (2020): 1345–1352.

  10. Recovery Collaborative Group. “Effect of hydroxychloroquine in hospitalized patients with Covid-19”. The New England Journal of Medicine, 383 (2020): 2030–2040.

  11. Peter W. Horby, Jonathan R. Emberson. “Hydroxychloroquine for Covid-19: Balancing contrasting claims”. European Journal of Internal Medicine, 82 (2020): 25–26.

  12. Samia Arshad et al. “Treatment with hydroxychloroquine, azithromycin, and combination in patients hospitalized with Covid-19”. International Journal of Infectious Diseases, 97 (2020): 396–403.

  13. Peter A. McCullough et al. “Pathophysiological basis and rationale for early outpatient treatment of SARS-CoV-2 (Covid-19) infection”. The American Journal of Medicine, 134, 1 (2020): 16–22.

  14. Reed Siemieniuk et al. “A living WHO guideline on drugs for Covid-19”. The BMJ, 370 (2020): m3379.

  15. Reed Siemieniuk et al. “Drug treatments for Covid-19: Living systematic review and network meta-analysis”. The BMJ, 370 (2020): m2980.

  16. David R. Boulware et al. “A randomized trial of hydroxychloroquine as postexposure prophylaxis for Covid-19”. The New England Journal of Medicine, 383 (2020): 517–525.

Twitter

  1. David Boulware (@boulware_dr). “[…] We do not know if daily HCQ would have an effect. […]”. 1º de outubro de 2020.

  2. David Boulware (@boulware_dr). “[…] Perhaps with daily dosing, there may be an effect that is statistically different and clinically relevant.”. 22 de setembro de 2020.

  3. David Boulware (@boulware_dr). “While our HCQ trials did not show a statistical benefit at the dose we used, we have been supportive of other trials […]”. 22 de setembro de 2020.

  4. Francois Balloux (@BallouxFrancois). “HCQ might have positive effects as a prophylactic or given very early in the infection. […]”. 11 de outubro de 2020.

Outros

  1. Sociedade Brasileira de Infectologia. “Informe n° 16 da Sociedade Brasileira de Infectologia sobre: Atualização sobre a hidroxicloroquina no tratamento precoce da Covid-19”. 17 de julho de 2020.

  2. Nicholas White on the use of chloroquine and hydroxychloroquine for prevention of Covid-19”. Nota Bene, 8 de agosto de 2020.

  3. James Watson on the behalf of 201 signatories. “An open letter to Mehra et al and The Lancet”. Zenodo, 28 de maio de 2020.

Estátuas de racistas: dois textos sobre a polêmica

Meses atrás tivemos a polêmica da derrubada de estátuas que homenageiam racistas. Estes são dois dos melhores textos brasileiros que li sobre o assunto.

Demétrio Magnoli, na Folha de S.Paulo:

Uma estátua erguida no passado não representa uma celebração presente de um personagem ou de uma ideologia, mas apenas a prova material de que, um dia, em outra época, isso foi celebrado.

[…]

A transferência das estátuas malditas para museus ou parques temáticos, retirando-as de seus contextos, tem efeito similar. Num caso, como no outro, trata-se de higienizar os lugares de circulação cotidiana, reservando o exercício da memória a uma elite de especialistas da memória.

Rhodes, o pecador, não está só. De Pedro, o Grande, a Thomas Jefferson, de Marx a Churchill, de Machado de Assis a Monteiro Lobato, ninguém passa no teste contemporâneo dos valores.

A lógica férrea do vandalismo do bem conduz a um programa de terra arrasada. O rastilho de fogueiras purificadoras nada poupará, a não ser as novas estátuas esculpidas pelos próprios vândalos do bem, que virão a ser derrubadas por seus futuros seguidores. O presente perpétuo —eis a perigosa ambição dessa seita de iconoclastas.

[…]

Quem tem o direito moral de suprimir os lugares da memória? Se concedermos esse direito aos vândalos do bem, como negá-lo a governos eleitos democraticamente?

Paulo Pachá e Thiago Krause, na Época:

As respostas encontradas nos jornais frequentemente têm sido negativas, argumentando que a derrubada de estátuas significaria a vitória do revisionismo por meio da tentativa de apagar a história e reescrever o passado, projeto supostamente autoritário e anacrônico, pois fundado em uma visão que julga o passado com os olhos de hoje.

O que esses argumentos ignoram são os fundamentos da própria historiografia, aqui entendida como a escrita da história baseada em metodologias e evidências aceitas pelos profissionais da área. Assim, a prática historiográfica é essencialmente revisionista: nós estamos sempre revisando nossos conhecimentos e interpretações sobre o passado. Essa revisão é determinada pelas relações sociais do presente, pois a sucessiva reescrita da história a partir do desenvolvimento de novas questões e interpretações está no cerne do trabalho dos historiadores.

[…]

Assim, a remoção dos monumentos também expressa uma transformação das relações e dos valores sociais. Erigir uma estátua é fazer história, derrubá-la também. Esses momentos são exatamente o contrário do apagamento, pois suscitam debates que geralmente permanecem adormecidos quando se discute o que a sociedade quer valorizar e comemorar.

Já a ideia de que seria anacrônico condenar personagens históricos erra em outra frente, pois ignora que havia outras moralidades possíveis na própria época em que essas figuras viviam. […] O espantalho do anacronismo frequentemente não passa de uma adoção irrefletida da perspectiva dominante que perpetua a negação da alteridade.

[…]

A constante reavaliação do passado nacional e a progressiva crítica de seus mitos é uma das marcas de uma democracia madura. O reconhecimento da inadequação de homenagens públicas realizadas no passado não significa apagamento, mas reparação de alguns dos muitos equívocos cometidos por nossos antepassados. […] O verdadeiro projeto de apagar a história é aquele que a vê como estática e pretende nos manter presos às visões superadas de uma historiografia laudatória dos heróis e mitos nacionais, que excluem e violentam a memória de diversos grupos sociais — em especial negros, indígenas e mulheres — reproduzindo no presente as desigualdades herdadas do passado.

Sobre ‘negacionismo’ e ‘negacionista’

Segundo o Houaiss,1 a palavra “negacionismo” começou a ser usada no Brasil em 13 de julho 1993, na Folha de S.Paulo. Ela aparece no texto “Autor escreve sobre ‘negação dos fatos’” (recorte), de Bernardo Carvalho, sobre Paul Virilio.

Voltou a aparecer em abril de 1994 e, depois, apenas em março de 2005.

Em O Estado de S. Paulo, ela foi usada pela primeira vez em 23 de abril de 1996, no texto “O venerável Abade Pierre põe Holocausto em dúvida” (recorte), de Gilles Lapouge.

Veja abaixo o número de vezes em que a palavra foi usada em cada jornal:

Década Folha Estadão
1990 2 2
2000 10 1
2010 58 20
2020 4 18
Total 74 41

Ainda segundo o Houaiss, “negacionista” apareceu pela primeira vez em 9 de junho de 1996, também na Folha.

Curiosamente, a edição eletrônica 3.0 para Windows inclui “negacionista”, mas não “negacionismo”.

Nenhuma das duas palavras está no Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa.


  1.  O Houaiss merecia um site bem melhor. Sua experiência de uso é horrível.

As colunas da ‘Folha’ (de novo)

Flavia Lima, ombudsman da Folha, fala sobre o texto de Hélio Schwartsman em que ele diz torcer pela morte de Jair Bolsonaro:

Essa liberdade é louvável e precisa ser ampla. Helio Beltrão segue dizendo o que pensa, mas, para lembrar de outro exemplo, Anderson França, colunista polêmico que escrevia no site, durou menos de um ano no jornal. Qual é a regra?

Adoraria saber a regra. Lima poderia ter perguntado para os responsáveis pela escolha dos colunistas, mas talvez tenha evitado porque a resposta provavelmente seria vaga e desinteressante.

(Não resisto: Helio Beltrão pensa?)

De modo legítimo, a Folha busca audiência. Com os seus mais de mil comentários no site (um texto popular costuma ter entre cem e 300 comentários), a coluna a entrega. Mas briga entre famosos também dá cliques, sem que o saldo em termos de credibilidade seja significativo para o jornal.

O que ela quis dizer com “saldo [significativo] em termos de credibilidade”? Essa parte ficou ambígua. De qualquer maneira, para mim, noticiar briga irrelevante entre famosos diminui, sim, a credibilidade do veículo – mais do que qualquer texto ruim de Hélio Schwartsman.

Um outro aspecto é que a coluna aproxima as páginas do jornal do vale-tudo das redes sociais, universo em relação ao qual a Folha e toda a imprensa buscam se diferenciar.

Concordo. Quando a Folha deu espaço a Kim Kataguiri, no já longínquo 2016, escrevi:

Talvez leitores menos qualificados, que se “informam” loucamente pelo Facebook (onde também vociferam suas opiniões), tenham gostado da decisão da Folha. Faz sentido. A contratação de Kataguiri como colunista é um claro exemplo da contaminação do jornalismo pelas redes sociais. O “textão de Facebook” ganhou espaço como coluna de jornal.

[…]

Não sei bem quem ganha com essa baixaria toda. Mas certamente o jornalismo perde.

Site e aplicativo da ‘Folha’: ainda com muitos problemas

Em fevereiro do ano passado a Folha de S.Paulo estreou um novo site, e eu escrevi uma crítica com as minhas primeiras impressões. Em outro texto, falei sobre o péssimo aplicativo do jornal impresso.

Mais de um ano depois, quais problemas continuam e quais foram solucionados? Vamos ver.

Site

  • Erros. O site estreou cheio de falhas, com links quebrados, caracteres errados e outras falhas e imperfeições. Pareceu um lançamento precipitado e despreparado, com um deadline que chegou antes de o trabalho estar finalizado. “Vamos lançar o novo site no dia 1º de fevereiro, esteja pronto ou não!” Alguns erros ainda persistem.

Aparentemente os erros mais gritantes foram resolvidos.

  • Publicidade. Alguns anúncios são bizarros. A home exibe um banner gigantesco no desktop e um pop-up horrível no celular. Mas o maior absurdo são os anúncios da Outbrain, que aparecem colados às notícias recomendadas – e com um visual muito semelhante ao delas. Além de enganar o leitor mais desatento, eles têm chamadas sensacionalistas, com títulos caça-cliques pra lá de sacanas (“iPhone vendido por R$ 280”, “Bancos no Brasil estão preocupados que a Bitcoin oferece uma melhor forma de investimento”). E o destino dos links, claro, são páginas sem credibilidade alguma. É um contrassenso a Folha usar esse tipo de anúncio numa era em que tanto se fala sobre fake news. De alguma maneira, ela está ajudando sites que desinformam e merecem sumir do mapa.

Aqui, nada mudou. OK, quase nada. Agora as imagens das notícias da Folha incluem um ícone do jornal no canto inferior esquerdo. De resto, continuam os links sensacionalistas típicos da Outbrain – com a mesma tipografia da Folha.

  • Acessibilidade. Falta cuidado com detalhes. Se eu seleciono a versão escura (fundo cinza) na home e, depois, clico em uma notícia, a pagina desta é carregada na versão clara. E na versão escura, é impossível ler os títulos das notícias recomendadas.

Acima, listo dois problemas com a versão escura. O primeiro foi solucionado. O segundo… Bem, o que fizeram foi algo bem tosco. Agora, as notícias recomendadas aparecem com fundo branco mesmo na versão escura do site. É bizarro. Veja este exemplo.

E há outro problema: os blogs, aparentemente, não possuem versão escura. Eles sempre aparecem com o fundo branco.

  • Tipografia (fonte). A “tipografia […] tratada para usos em diferentes telas” funciona bem em celulares e tablets, que geralmente têm telas com alta densidade de pixels, mas deixa um pouco a desejar em monitores comuns, que têm baixa densidade e são os mais usados em computadores desktop. Vejam nesta imagem a comparação de duas capturas de tela realizadas em um monitor de 24 polegadas com resolução de 1920 × 1200 pixels.1 À esquerda, o texto com a fonte FolhaTexto; à direita, com Georgia.2 Ao menos para mim, a legibilidade do texto com Georgia é superior, principalmente devido ao contraste. O til na versão com FolhaTexto fica distorcido a ponto de parecer um macro.

Aqui, nada foi feito, e provavelmente nem será. A solução ideal seria criar uma versão da FolhaTexto específica para telas de baixa densidade – e exibi-la somente nelas. É muito caro e trabalhoso.

  • Tipografia (outros). A Folha poderia aproveitar a reforma no site e aplicar nele o mesmo cuidado tipográfico da edição impressa em elementos como travessão e aspas. O primeiro deve ser exibido como travessão de fato, não como um, dois ou três hifens (ou qualquer outro sinal). As aspas devem ser curvas (“como estas”), não retas ("como estas").3

O travessão feito com dois hifens e as aspas retas (ou “falsas”) continuam a aparecer com frequência. Em abril do ano passado, a Folha me informou que isso ocorria devido a “algum conflito com o sistema interno” e que estavam “trabalhando nisso”. Pelo visto, era conversa para boi dormir.

O pior é que é relativamente fácil fazer um plug-in ou algo do tipo para converter automaticamente hifens em travessões, aspas retas em aspas curvas etc. O próprio publicador do jornal impresso tem um recurso assim.

É um problema simples e negligenciado.

  • Padrão. Parece faltar consistência visual na exibição de algumas páginas. Vejam este exemplo. São oito cabeçalhos de colunas no site. Todas são colunas de análise e opinião, ou seja, em tese deveriam apresentar um padrão semelhante. Mas não é o que ocorre. Os três primeiros têm título com fonte FolhaII; os outros aparecem com fonte FolhaTexto. Há colunas com linha fina e chapéu, com linha fina e sem chapéu, sem linha fina e com chapéu e sem linha fina nem chapéu. O chapéu pode ter uma só palavra ou mais. E as palavras podem ou não incluir links para tags. Combinações para todos os gostos! É uma zona tão grande que há diferenças entre textos do mesmo autor (Clóvis Rossi) e até na cor do nome do colunista (Reinaldo Azevedo é o único em cinza). Também seria bom atenção na edição para evitar viúvas como esta.

Parece ter havido alguma melhora nesse quesito, mas os problemas ainda existem. Títulos de colunas continuam a aparecer tanto em FolhaII quanto em FolhaTexto. Os links também pecam pela falta de padrão – alguns usam o formato www1.folha.uol.com.br/colunas/nomedocolunista/ (sem hífen); outros, o formato www1.folha.uol.com.br/colunas/nome-do-colunista/ (com hífen).

  • Fotos. Parece ter faltado às fotos a atenção que o jornal deu à tipografia. Muitas imagens são exibidas com baixa resolução ou muitos artefatos de compressão – uma falta de consideração não apenas com o leitor, mas com o trabalho dos fotógrafos. O problema ocorre inclusive em galerias (que obviamente deveriam exibir as fotos da melhor maneira possível) e é mais grave em telas com alta densidade de pixels.

Ainda há muitas fotos com problemas. E aproveito para acrescentar que o widget usado para as galerias é muito ruim – não me lembro se já era assim há um ano, mas é bem possível. A navegação é lenta, com travadas frequentes, principalmente no celular.

  • Tablets. O layout das páginas no iPad parece ter sido meio negligenciado, principalmente quando o tablet é usado na posição retrato (vertical). Como a tela do tablet é maior que a do celular e menor que a do computador, a solução da Folha foi, aparentemente, misturar características dos layouts destinados a estes dois. O resultado é inconsistente. O problema, pelo que vejo, ocorre basicamente na visualização de elementos que foram desenhados para celular. O logotipo do jornal e os banners de publicidade, por exemplo, aparecem espremidos, com tamanho ideal para celular (bem, no caso dos anúncios, isso pode até ser considerado um ponto positivo para o leitor, mas o layout fica estranho). Algumas chamadas para notícias são esticadas de maneira a ocupar toda a largura da tela, como ocorre no celular – mas, no tablet, elas ficam grandes demais e com fotos horríveis (com resolução muito baixa para o tamanho em que são exibidas).

Aqui, nada mudou. E como o aplicativo do jornal impresso continua um lixo (falo abaixo sobre isso), podemos concluir que a Folha não dá a mínima para o leitor que usa tablets.

  • Comentários. O nível dos comentários era e continuará a ser baixo, isso não tem jeito. Mas o design pode melhorar. Ao clicar no botão “Todos os comentários”, somos levados a uma página não responsiva, com legibilidade terrível no celular (bem, mesmo no desktop ela nunca foi boa, com linhas muito compridas). Outro problema que ocorre no celular é aquele botãozinho cinza com ícone de balão, abaixo do título da matéria e ao lado do botão de WhatsApp. Ele deveria levar o leitor à seção de comentários. Ao clicar nele, porém, os comentários não aparecem porque estão escondidos sob o “Continue lendo”.

O primeiro problema (página não responsiva) foi resolvido. O segundo (botão dos comentários), não – o “Continue lendo” ainda esconde os comentários.

  • Busca. O sistema de pesquisa do site apresenta pelo menos dois problemas. O primeiro é a busca de palavras com acento. Ao acessar a home, clicar na lupa e digitar “previdência”, o resultado é este (link). Nessa página de resultados, substituir “previdência” por “previdência” dá certo – o resultado é este (link). O segundo problema é que, ao fazer a busca no celular, a página de resultados é exibida na antiga versão para desktop, não na mobile.

Resolvido.

  • Antigo site para dispositivos móveis. As páginas de comentários e resultados de busca têm um problema em comum: ambas são exibidas na antiga versão para desktop, mesmo quando acessadas pelo celular. É necessário melhorar a integração entre o site novo (responsivo) e o antigo (com versões separadas para desktop e mobile). Ao navegar pelo site novo e clicar em um link com destino ao site antigo, somos levados à versão desktop da página, mesmo quando o acesso é feito pelo celular. Em outras palavras, o velho site mobile foi jogado para escanteio. Posso dar outros exemplos além dos acima (comentários e busca). Ao acessar a página da edição impressa e selecionar uma data anterior a 1/2/2018, somos sempre levados à versão desktop, nunca à mobile. O mesmo ocorre quando acessamos a página de um colunista e selecionamos um artigo.

Aqui a situação melhorou, mas o problema da página da edição impressa em datas anteriores a 1/2/2018 continua.

  • Página de opinião. Nela, a maioria das chamadas tem apenas o chapéu “Opinião” e o título do texto. O ideal seria ver também o nome do autor do artigo (talvez no próprio chapéu).

Resolvido.

  • HTTPS. O acesso ao site ainda não é feito com HTTPS. Demorou, Folha.

Resolvido.

Aplicativo

O aplicativo continua a mesma porcaria. Tudo o que escrevi há um ano continua válido. Texto ruim, imagens ruins. Aliás, faltou mencionar outro problema: a completa falta de links. Na versão antiga do app, a primeira página de cada edição tinha links para as matérias correspondentes. O leitor podia “clicar” na chamada da capa e ir direto à matéria. Esse recurso inexiste no app atual. É outra vantagem do aplicativo do Estadão.

Para piorar, alguns profissionais da Folha que trabalham na área digital consideram resolvido o problema da nitidez. Quando soube disso, fiquei estupefato e desapontado.

Estupefato porque eu não imaginava que o nível de exigência ou de conhecimento técnico na Folha estivesse tão baixo assim – mesmo não esperando muito do jornal nesses aspectos (ou seja, a minha expectativa já era baixa e, ainda assim, fui surpreendido). Desapontado porque concluí que, de fato, não há por que ter esperanças de que o app fique minimamente decente. Ele será um lixo até que a Folha troque de desenvolvedora (ou de profissionais).


  1.  Densidade de 94 PPI (pixels por polegada). O MacBook Pro de 13 polegadas tem 227 PPI. O iPhone X tem 463 PPI; o iPhone 8, 326 PPI; o Galaxy S8, 568 PPI. (Fonte: DPI Calculator / PPI Calculator.)

  2.  A fonte Georgia foi desenhada em 1993 por Matthew Carter especialmente para o uso em telas de baixa resolução.

  3.  Robert Bringhurst, em The Elements of Typographic Style, sobre as “dumb quotes” (“aspas falsas”, na edição brasileira): “These are refugees from the typewriter keyboard. […] They have no typographic function.”

Novo aplicativo da ‘Folha’: não dá para ler

O novo site da Folha, apesar de tantos problemas, é melhor do que a sua versão anterior. O mesmo não se pode dizer do aplicativo da edição impressa.

O jornal trocou de desenvolvedora, e a responsável pelo novo app é uma empresa chamada Maven. Por enquanto, as consequências dessa mudança são desastrosas. Basta ler os comentários no site da Folha e na App Store. É praticamente uma unanimidade – algo que, neste ambiente tão polarizado de hoje, é difícil de conseguir. Parabéns, Folha.

O pior problema chega a ser absurdo de tão ridículo: a baixa definição das páginas do jornal. Como é possível um app dedicado à leitura oferecer uma legibilidade tão baixa?

Para ter uma noção melhor do problema, veja estas capturas feitas com o iPad:

Continue a leitura

Novo site da ‘Folha’

Na semana passada a Folha estreou um novo site. Eis minhas primeiras impressões.

Prós

  • Melhora geral. Isso é o mais importante – o site, no geral, melhorou em relação à versão anterior.

  • Espaço em branco. O site “respira” melhor com o novo design, principalmente quando visualizado em desktop.

  • Acessibilidade. Louvável a preocupação do jornal com acessibilidade.

  • Fim do azul-bebê. A cor utilizada pelo jornal nos últimos anos não passava um ar de seriedade, e eu nunca vi uma justificativa razoável para a sua escolha. Cheguei a ouvir algo como “é a cor da moda, a cor do Twitter”. (Bom, se o objetivo é “estar na moda”, o novo azul da Folha está mais próximo do usado pelo Facebook – e também dos tons adotados por veículos como o Estadão, O Globo e El País. Não sei se isso é algo positivo, porém.)

  • Fim dos créditos excessivamente detalhados. Na edição impressa (que deve mudar em breve), a Folha ainda coloca, sob o nome do autor da matéria, descrições como “De Brasília”, “Enviado especial a Madri”, “Colaboração para a Folha”, “Especial para a Folha” etc. Acho que esses detalhes pouco interessam ao leitor comum – e, se fossem realmente importantes, deveriam ser explicados a ele. Qual é a diferença entre “Enviado especial a Paris”, “De Paris” e “Em Paris”? (Acredite, há diferença entre os dois últimos e, posso apostar, boa parte dos jornalistas da própria Folha não sabe explicá-la.) Como a Folha diferencia a “colaboração” do “especial”? Para piorar, há falta de paralelismo entre os termos. Por exemplo, “Enviado especial a Londres” indica que o repórter foi enviado a Londres; “Colaboração para a Folha” indica que a matéria foi feita em regime de colaboração (freelance, para ser mais específico). Na primeira, o termo refere-se ao repórter; na segunda, ao trabalho dele.

Contras

  • Erros. O site estreou cheio de falhas, com links quebrados, caracteres errados e outras falhas e imperfeições. Pareceu um lançamento precipitado e despreparado, com um deadline que chegou antes de o trabalho estar finalizado. “Vamos lançar o novo site no dia 1º de fevereiro, esteja pronto ou não!” Alguns erros ainda persistem.

  • Publicidade. Alguns anúncios são bizarros. A home exibe um banner gigantesco no desktop e um pop-up horrível no celular. Mas o maior absurdo são os anúncios da Outbrain, que aparecem colados às notícias recomendadas – e com um visual muito semelhante ao delas. Além de enganar o leitor mais desatento, eles têm chamadas sensacionalistas, com títulos caça-cliques pra lá de sacanas (“iPhone vendido por R$ 280”, “Bancos no Brasil estão preocupados que a Bitcoin oferece uma melhor forma de investimento”). E o destino dos links, claro, são páginas sem credibilidade alguma. É um contrassenso a Folha usar esse tipo de anúncio numa era em que tanto se fala sobre fake news. De alguma maneira, ela está ajudando sites que desinformam e merecem sumir do mapa.

  • Acessibilidade. Falta cuidado com detalhes. Se eu seleciono a versão escura (fundo cinza) na home e, depois, clico em uma notícia, a pagina desta é carregada na versão clara. E na versão escura, é impossível ler os títulos das notícias recomendadas.

  • Tipografia (fonte). A “tipografia […] tratada para usos em diferentes telas” funciona bem em celulares e tablets, que geralmente têm telas com alta densidade de pixels, mas deixa um pouco a desejar em monitores comuns, que têm baixa densidade e são os mais usados em computadores desktop. Vejam nesta imagem a comparação de duas capturas de tela realizadas em um monitor de 24 polegadas com resolução de 1920 × 1200 pixels.1 À esquerda, o texto com a fonte FolhaTexto; à direita, com Georgia.2 Ao menos para mim, a legibilidade do texto com Georgia é superior, principalmente devido ao contraste. O til na versão com FolhaTexto fica distorcido a ponto de parecer um macro.

  • Tipografia (outros). A Folha poderia aproveitar a reforma no site e aplicar nele o mesmo cuidado tipográfico da edição impressa em elementos como travessão e aspas. O primeiro deve ser exibido como travessão de fato, não como um, dois ou três hifens (ou qualquer outro sinal). As aspas devem ser curvas (“como estas”), não retas ("como estas").3

  • Padrão. Parece faltar consistência visual na exibição de algumas páginas. Vejam este exemplo. São oito cabeçalhos de colunas no site. Todas são colunas de análise e opinião, ou seja, em tese deveriam apresentar um padrão semelhante. Mas não é o que ocorre. Os três primeiros têm título com fonte FolhaII; os outros aparecem com fonte FolhaTexto. Há colunas com linha fina e chapéu, com linha fina e sem chapéu, sem linha fina e com chapéu e sem linha fina nem chapéu. O chapéu pode ter uma só palavra ou mais. E as palavras podem ou não incluir links para tags. Combinações para todos os gostos! É uma zona tão grande que há diferenças entre textos do mesmo autor (Clóvis Rossi) e até na cor do nome do colunista (Reinaldo Azevedo é o único em cinza). Também seria bom atenção na edição para evitar viúvas como esta.

  • Fotos. Parece ter faltado às fotos a atenção que o jornal deu à tipografia. Muitas imagens são exibidas com baixa resolução ou muitos artefatos de compressão – uma falta de consideração não apenas com o leitor, mas com o trabalho dos fotógrafos. O problema ocorre inclusive em galerias (que obviamente deveriam exibir as fotos da melhor maneira possível) e é mais grave em telas com alta densidade de pixels.

  • Tablets. O layout das páginas no iPad parece ter sido meio negligenciado, principalmente quando o tablet é usado na posição retrato (vertical). Como a tela do tablet é maior que a do celular e menor que a do computador, a solução da Folha foi, aparentemente, misturar características dos layouts destinados a estes dois. O resultado é inconsistente. O problema, pelo que vejo, ocorre basicamente na visualização de elementos que foram desenhados para celular. O logotipo do jornal e os banners de publicidade, por exemplo, aparecem espremidos, com tamanho ideal para celular (bem, no caso dos anúncios, isso pode até ser considerado um ponto positivo para o leitor, mas o layout fica estranho). Algumas chamadas para notícias são esticadas de maneira a ocupar toda a largura da tela, como ocorre no celular – mas, no tablet, elas ficam grandes demais e com fotos horríveis (com resolução muito baixa para o tamanho em que são exibidas).

  • Comentários. O nível dos comentários era e continuará a ser baixo, isso não tem jeito. Mas o design pode melhorar. Ao clicar no botão “Todos os comentários”, somos levados a uma página não responsiva, com legibilidade terrível no celular (bem, mesmo no desktop ela nunca foi boa, com linhas muito compridas). Outro problema que ocorre no celular é aquele botãozinho cinza com ícone de balão, abaixo do título da matéria e ao lado do botão de WhatsApp. Ele deveria levar o leitor à seção de comentários. Ao clicar nele, porém, os comentários não aparecem porque estão escondidos sob o “Continue lendo”.

  • Busca. O sistema de pesquisa do site apresenta pelo menos dois problemas. O primeiro é a busca de palavras com acento. Ao acessar a home, clicar na lupa e digitar “previdência”, o resultado é este (link). Nessa página de resultados, substituir “previdência” por “previdência” dá certo – o resultado é este (link). O segundo problema é que, ao fazer a busca no celular, a página de resultados é exibida na antiga versão para desktop, não na mobile.

  • Antigo site para dispositivos móveis. As páginas de comentários e resultados de busca têm um problema em comum: ambas são exibidas na antiga versão para desktop, mesmo quando acessadas pelo celular. É necessário melhorar a integração entre o site novo (responsivo) e o antigo (com versões separadas para desktop e mobile). Ao navegar pelo site novo e clicar em um link com destino ao site antigo, somos levados à versão desktop da página, mesmo quando o acesso é feito pelo celular. Em outras palavras, o velho site mobile foi jogado para escanteio. Posso dar outros exemplos além dos acima (comentários e busca). Ao acessar a página da edição impressa e selecionar uma data anterior a 1/2/2018, somos sempre levados à versão desktop, nunca à mobile. O mesmo ocorre quando acessamos a página de um colunista e selecionamos um artigo.

  • Página de opinião. Nela, a maioria das chamadas tem apenas o chapéu “Opinião” e o título do texto. O ideal seria ver também o nome do autor do artigo (talvez no próprio chapéu).

  • HTTPS. O acesso ao site ainda não é feito com HTTPS. Demorou, Folha.

Apesar de o volume de texto dos contras ser maior que o dos prós, ressalto que, de uma maneira geral, gostei da atualização do site. Boa parte dos problemas que menciono nos contras já existia desde antes da reforma – ou seja, não apareceram com a nova versão (mas não foram corrigidos nela).


  1.  Densidade de 94 PPI (pixels por polegada). O MacBook Pro de 13 polegadas tem 227 PPI. O iPhone X tem 463 PPI; o iPhone 8, 326 PPI; o Galaxy S8, 568 PPI. (Fonte: DPI Calculator / PPI Calculator.)

  2.  A fonte Georgia foi desenhada em 1993 por Matthew Carter especialmente para o uso em telas de baixa resolução.

  3.  Robert Bringhurst, em The Elements of Typographic Style, sobre as “dumb quotes” (“aspas falsas”, na edição brasileira): “These are refugees from the typewriter keyboard. […] They have no typographic function.”

Guia metodologicamente incorreto

Apenas recentemente tomei conhecimento da polêmica envolvendo a série Guia Politicamente Incorreto, do canal History.

RIO – Historiadores e escritores acusaram o canal History de incluir, sem o seu consentimento, trechos de entrevistas feitas com eles para o programa “Guia politicamente incorreto da História do Brasil”, cujo primeiro episódio foi ao ar neste sábado.

Lira Neto, Lilia Schwarcz e Laurentino Gomes afirmam ter sido entrevistados por uma produtora contratada pelo canal sem serem informados de que as declarações seriam utilizadas no programa em questão.

Lira Neto foi um dos que mais reclamaram publicamente sobre o ocorrido e chegou a abordar o assunto em sua coluna na Folha:

Estupefato, na semana passada, fiquei sabendo que minha fala seria incluída, de modo ardiloso, em uma série intitulada “Guia Politicamente Incorreto”, baseada nos livros do jornalista Leandro Narloch. Se tivesse sido informado disso previamente, não teria concedido a entrevista.

Considero tais livros um desserviço ao público jovem, alvo prioritário deles. São simplórios na argumentação, falaciosos na utilização das fontes, pródigos em promover estereótipos e sedimentar preconceitos contra minorias historicamente marginalizadas.

Imediatamente, tratei de exigir explicações dos responsáveis. Após apelar para o cinismo e tentar dizer que tudo não passara de um “mal-entendido”, o diretor foi desmascarado pelos fatos. Outros entrevistados, como as historiadoras Lilia Schwarcz, Isabel Lustosa e Mary Del Priore, assim como o jornalista Laurentino Gomes, revelaram que tinham sido vítimas da mesma armadilha. […]

O próprio Narloch sentiu-se compelido a vir a público, pelas redes sociais, para dizer que estava “frustrado” com a história. Afirmou não saber que havíamos sido enganados. Concordava com o pedido dos atingidos para que fossem retiradas as respectivas entrevistas do programa. Contudo, alegou, tudo havia sido feito em nome de promover “um debate elegante sobre temas delicados”.

Quem assistiu aos primeiros episódios constatou que não há elegância ou debate naquilo. A presença e o nome de pesquisadores sérios estão sendo utilizados, na edição, apenas para legitimar e corroborar uma narrativa tendenciosa, “politicamente incorreta”. Por si só, a palavra “guia”, do título, não deixa margem para dúvidas: sugere condução, viés, predefinição de rumo.

Reinaldo José Lopes, que já trabalhou com Leandro Narloch (autor do Guia Politicamente Incorreto da História do Brasil) e foi entrevistado para a série, falou sobre a polêmica em seu blog e em sua coluna (o trecho abaixo é retirado desta):

O problema central da série é que, embora a proposta declarada seja desmontar clichês e visões ideologicamente motivadas de figuras da nossa história, o que de fato ocorre é substituir um clichê por outro. […]

Como talvez o leitor saiba, dá para contar uma mentira imensa contando apenas verdades –ou pedacinhos dessas verdades.

Gostei especialmente dos textos de Lira Neto e José Lopes porque eles incluem boas críticas ao livro de Narloch e à série nele baseada.

O grande problema desse tipo de obra não são suas conclusões em si, mas a metodologia adotada para chegar a elas. O fato de a tese ser “politicamente incorreta” ou “politicamente correta” é o de menos. O importante é a qualidade da pesquisa – que, nesse tipo de trabalho, costuma ser muito baixa.

Não me refiro a livros de história escritos por não historiadores – afinal, não é necessário ser historiador para escrever bons livros de história. Minha crítica é direcionada a certas obras de não ficção simplistas e sensacionalistas, com título provocativo (e geralmente meio bobo). Uma estratégia comum de seus autores é defender teses polêmicas usando argumentação fraca, baseada em evidências ou interpretações de pouca relevância.

E Narloch “adora uma evidência anedótica – ou seja, ‘causos’, histórias individuais sobre uma situação específica”, diz José Lopes, antes de completar: “Causos são legais, mas quando a gente está falando de história, é preciso deixar muito claro se eles são representativos ou não.”

Para piorar, quando autores dessas obras são alvo de críticas, eles frequentemente tentam desqualificá-las sem rebater seus argumentos, como neste trecho:

A respeito das críticas de Lira Neto, Narloch afirmou à Folha que as considera personalistas e motivadas mais por divergência política do que pelas informações da série ou do livro.

Respostas assim deveriam deixar claro que o criticado se considera incapaz de responder devidamente aos argumentos da crítica. Infelizmente, não é isso o que ocorre.

Como já nos mostrou Paulo Maluf (entre tantos outros políticos), responder a uma crítica sem rebater seus argumentos é uma tática de retórica que funciona bem. E os fãs de autores como Narloch são mais uma amostra disso.


Para finalizar, um comentário sobre a cobertura da mídia. Uma leitura rápida das matérias sobre o caso pode dar a impressão de que se tratou de mais uma batalha em uma eterna guerra entre historiadores e jornalistas ou algo assim. Títulos usados pelos veículos contribuem para isso.

Mas, como é evidente, as reclamações não vieram apenas de historiadores. Lira Neto, Laurentino Gomes e Reinaldo José Lopes, entre outros, não são historiadores – e nem dizem ser; quem comete esse erro é a mídia.


Ricardo Coimbra:

"Startup Wars V", Ricardo Coimbra

O custo das meias-entradas no Brasil

Marcos Lisboa e Samuel Pessôa, na Folha:

A crise decorre da impressionante sensibilidade do setor público no Brasil aos grupos de interesse e da distribuição de privilégios e incentivos a setores selecionados. O custo desses benefícios é disseminado por toda a sociedade, prejudicando a produtividade e o crescimento econômico. Sobretudo, esse custo é pago pela maioria invisível, a que não escreve nos jornais, não frequenta as universidades públicas, não recebe crédito subsidiado, não se beneficia de medidas de proteção setorial e não se aposenta como funcionário público.

[…]

A lista [de meias-entradas] é longa. A maioria dos indivíduos de nossa sociedade se beneficia de alguma meia-entrada. Todos, porém, pagam a conta dos privilégios e benefícios concedidos aos grupos selecionados. O resultado é a imensa complexidade institucional, resultado das múltiplas regras para garantir o tratamento diferenciado aos grupos selecionados.

Essa complexidade e suas diversas distorções geram custos difusos para toda a sociedade, o custo Brasil, nome genérico para a dificuldade adicional de produzir e trabalhar no país. O custo que torna todos nós mais pobres. Infelizmente, as famílias sem representação organizada, em geral as mais pobres, sofrem ainda mais os custos de um país excessivamente sensível aos grupos de interesse.

É um bom complemento ao artigo sobre problemas estruturais que os dois mais Mansueto Almeida escreveram no ano passado.

As “meias-entradas” também foram bem abordadas por Marcos Mendes em dois textos no Estadão. O primeiro, publicado em setembro, termina assim:

Nenhum dos personagens acima citados tem comportamento ilegal. Eles jogam o jogo de acordo com as regras que estão postas. O erro está nas regras. Mudá-las requer superar as dificuldades das decisões coletivas. Não mudá-las implica continuar com talentos profissionais e dinheiro público mal alocados, empregos improdutivos, potenciais inexplorados, gasto público excessivo, oportunidades perdidas, incentivos errados. Uma fábula de improdutividade.

E o segundo, escrito com Bernard Appy e publicado em janeiro, assim:

Há muito que reformar nos programas públicos para torná-los mais justos, eficientes e baratos. É um erro deixar de fazê-lo por temer prejudicar os mais pobres. Os beneficiários de cada um dos programas tortos aproveitam-se dessa falácia para bloquear o desmonte de seus privilégios. A função primordial do Estado brasileiro não tem sido prestar serviços públicos ou socorrer os mais pobres, mas garantir benefícios obtidos por alguns grupos a expensas do resto da sociedade e das gerações futuras. Ganha quem tem o lobby mais organizado. Isso trava o crescimento da economia e prejudica a todos. Apenas umas gotas desse oceano de benefícios respingam para os mais pobres. E estes ainda pagam parte da conta sob a forma de inflação e impostos altos, baixa criação de empregos e juros elevados.

A alternativa às reformas é a estagnação econômica e a consolidação da desigualdade extrema que sempre caracterizou o Brasil.

Destaco esses trechos porque eles resumem os argumentos, mas talvez o melhor seja os exemplos usados para ilustrar os problemas – eles deixam os textos bastante didáticos.