Facebook censors Nicholas White video about chloroquine and hydroxychloroquine

A few weeks ago, I published a video by renowned scientist Nicholas White on the use of chloroquine and hydroxychloroquine against COVID-19.

Bizarrely, it was censored by Facebook.

Brazilian scientist Claudia Paiva wrote a post with a link to the video. Hours later, it was removed. Here’s Facebook’s explanation:

Your post goes against our Community Standards on misinformation that could cause physical harm

No one else can see your post.

We encourage free expression, but don’t allow false information about COVID-19 that could contribute to physical harm.

This is absurd. White says we do not know whether chloroquine and hydroxychloroquine work against COVID-19 and does not advocate their use in treatments. Why the censorship?

A ridiculous and unjustifiable decision from Facebook.

Facebook censura vídeo de Nicholas White sobre cloroquina e hidroxicloroquina

Há algumas semanas, publiquei um vídeo do renomado cientista Nicholas White sobre o uso de cloroquina e hidroxicloroquina contra a COVID-19.

Bizarramente, ele foi censurado pelo Facebook.

Claudia Paiva, professora da UFRJ, fez um post com link para o vídeo. Horas depois, ele foi removido. Eis a explicação do Facebook:

Sua publicação vai contra os nossos Padrões da Comunidade sobre desinformação que pode causar dano físico

Ninguém mais pode ver a sua publicação.

Incentivamos a liberdade de expressão, mas não permitimos informações falsas sobre a COVID-19 que possam levar à agressão física.

Isso é um absurdo. White diz que não sabemos se cloroquina e hidroxicloroquina funcionam contra a COVID-19 e não defende o seu uso em tratamentos. Por que a censura?

Decisão ridícula e injustificável do Facebook.

Dados publicados na ‘Folha’ confundem o leitor (e o próprio jornalista)

Em artigo na Folha de S.Paulo, o jornalista Fernando Canzian apresenta dados de maneira aparentemente clara, mas que na verdade só servem para confundir o leitor.

O cientista político Sérgio Praça explica:

Na Folha de hoje, o jornalista Fernando Canzian confunde funções gratificadas (como coordenar uma pós em uma universidade federal – prerrogativa exclusiva de professor concursado) com cargos de confiança (para os quais qualquer cidadão pode ser contratado.) As contas de Canzian estão, portanto, completamente erradas.

Além disso, não há “caixa-preta” com relação a cargos de confiança na esfera federal. Há inabilidade para abrir o site do Ministério do Planejamento e fuçar o Boletim Estatístico de Pessoal e/ou o Portal da Transparência do Governo Federal.

FHC e Serra fortalecem discurso pró-renúncia

Fernando Henrique Cardoso, no Facebook:

Se a própria Presidente não for capaz do gesto de grandeza (renúncia ou a voz franca de que errou, e sabe apontar os caminhos da recuperação nacional), assistiremos à desarticulação crescente do governo e do Congresso, a golpes de Lavajato.

José Serra, no Valor Econômico:

A renúncia é prerrogativa da Dilma. E, ao que tudo indica, pelo que ela tem reiterado numerosas vezes, não cogita de renunciar. Mas não tenho dúvida que a esmagadora maioria do país gostaria que ela renunciasse.

Pelo visto, FHC e Serra veem na renúncia de Dilma a melhor oportunidade para o PSDB se beneficiar da crise do governo.

Mas será que realmente acham que a renúncia seria boa para o Brasil? Pensando no país (e não em partidos), parece difícil defender, com bons argumentos, a saída da presidente antes de 2018.