FHC e Serra fortalecem discurso pró-renúncia

Fernando Henrique Cardoso, no Facebook:

Se a própria Presidente não for capaz do gesto de grandeza (renúncia ou a voz franca de que errou, e sabe apontar os caminhos da recuperação nacional), assistiremos à desarticulação crescente do governo e do Congresso, a golpes de Lavajato.

José Serra, no Valor Econômico:

A renúncia é prerrogativa da Dilma. E, ao que tudo indica, pelo que ela tem reiterado numerosas vezes, não cogita de renunciar. Mas não tenho dúvida que a esmagadora maioria do país gostaria que ela renunciasse.

Pelo visto, FHC e Serra veem na renúncia de Dilma a melhor oportunidade para o PSDB se beneficiar da crise do governo.

Mas será que realmente acham que a renúncia seria boa para o Brasil? Pensando no país (e não em partidos), parece difícil defender, com bons argumentos, a saída da presidente antes de 2018.

Frei Betto e os aliás

Na entrevista de Frei Betto à Folha de S.Paulo, os melhores trechos não são sobre Dilma, mas sobre José Dirceu e religião, especialmente os “aliás”.

Se é verdade que ele tem tantos milhões na conta, eu não posso entender como é que ele promoveu a vaquinha. Aliás, tenho amigos que contribuíram com a vaquinha. Estão sumamente indignados. Eles se sentem lesados. […]

Bom, tem muito colégio religioso que é mera empresa escolar. Aliás, os políticos mais corruptos do Brasil saíram todos de colégios religiosos. É de se pensar: que diabo andaram fazendo, que evangelização era essa?

Redução de danos

O governo não teve tempo de preparar o mercado para a redução da meta de superavit primário, que passou de 1,1% para 0,15% do PIB. O esforço para diminuir os danos, pelo visto, inclui aumentar a exposição do ministro da Fazenda, Joaquim Levy, na mídia.

Nas últimas semanas, ele foi entrevistado por Fernando Dantas, para a Agência Estado, e por Miriam Leitão, para seu programa na GloboNews. O ministro ainda escreveu um artigo para a Folha de S.Paulo.

De maneira comedida, Levy tenta transmitir certo otimismo e manda recados ao Congresso, mas sem atacá-lo explicitamente.

‘Brasil: A Corrupção do Progresso’

Esse é o título do último artigo de Kenneth Maxwell para a New York Review of Books. Apesar de alguns pequenos erros (como “Sérgio Mota” em vez de Sergio Moro), ele oferece uma boa visão geral do que vem acontecendo no Brasil nos últimos meses.

Ele pode ser lido aqui.

Sergio Fausto: passado, presente e futuro do PSDB

Em artigo para a Folha, Sergio Fausto faz uma boa síntese sobre o passado, o presente e o futuro do PSDB. Destaco dois trechos.

No período Lula, não resta dúvida de que o PSDB errou ao buscar se desvencilhar da suposta maldita herança do governo FHC. O partido cometeu repetidas vezes o equívoco de abdicar de parte constitutiva de sua identidade […].

No fundo, faltou ao PSDB convicção de que o governo FHC, apesar das crises e dos resultados insatisfatórios em matéria de crescimento e emprego, representara um significativo avanço para o país e constituía um ativo e não um passivo para o partido, não apenas em uma mirada retrospectiva, mas também em uma perspectiva de futuro.

O cenário enfrentado pelo PT hoje tem algumas semelhanças. Depois do período eleitoral e principalmente neste ano, com os efeitos da crise mais evidentes, ficou difícil achar petistas que defendam o primeiro mandato de Dilma Rousseff. Além disso, uma parcela do PT acredita que o partido ou o governo repete o PSDB ao “abdicar de parte constitutiva de sua identidade”.

Há pelo menos uma diferença significativa: provavelmente será muito mais difícil para o PT convencer a população (e talvez até a si mesmo) que o governo Dilma, “apesar das crises e dos resultados insatisfatórios em matéria de crescimento e emprego”, terá representado “um significativo avanço para o país”.

Estabelecer uma interlocução qualificada com essa rede [potencial de apoio ao PSDB] implica não apenas democratizar internamente o partido, mas também definir com mais clareza o lugar do PSDB no mapa ideológico do país. Para tanto, o partido não pode esquecer que construiu a sua história no campo progressista e visceralmente democrático. O esquecimento de seu DNA pode parecer tentador diante das tendências conservadoras em alta na sociedade brasileira, mas representaria a descaracterização irremediável do partido e a sua transformação em uma sigla como outra qualquer.

Mais do que uma cutucada na parcela mais conservadora do PSDB, essa mensagem é um recado aos colegas progressistas do partido. “Não podemos nos descaracterizar.”

Reunião com governadores: ‘Folha’, ‘Estado’ e ‘Globo’

Os jornais de ontem (31/7) fornecem bom material para um rápido exercício de jornalismo comparado.

Na capa, a Folha de S.Paulo deu como notícia principal o deficit primário do governo federal no primeiro semestre e usou uma chamada menor para a reunião da presidente Dilma Rousseff com os governadores, além de outra para uma análise sobre o encontro. O Estado de S. Paulo e O Globo preferiram o inverso e colocaram a reunião como o maior destaque da primeira página.

Mais interessante do que isso é o modo como cada jornal tratou a reunião. Eis os títulos usados na primeira página:

Folha: “Presidente pede aos governadores ajuda para superar crise”

Estado: “Governadores vão combater pauta que ameaça ajuste”

Globo: “Governadores apoiam Dilma contra aumento de gastos”

A Folha colocou Dilma como personagem principal, enquanto os outros dois deram mais destaque à reação dos governadores.

O Estado e o Globo, que têm fama de serem mais duros com o PT, deram um ar mais positivo à reunião, com matérias que passam a ideia de que algo de bom saiu dali – os governadores se comprometeram a ajudar a presidente no ajuste fiscal.

A matéria da Folha pouco fala sobre a reação dos governadores – uma falha grave, pois eles também eram protagonistas do evento. Fica a impressão de uma reunião completamente infrutífera, com a presidente indefesa pedindo socorro.

Nesse caso, os leitores dos outros dois diários tiveram uma cobertura mais bem apurada, que relata não apenas o que Dilma disse, mas também o que ouviu.

Problemas estruturais da economia brasileira

Mansueto Almeida, Marcos Lisboa e Samuel Pessôa, na Folha:

Ao contrário da visão dominante, a crise fiscal não decorre apenas do descontrole das contas públicas nos últimos anos. A crise é mais profunda e requer um ajuste mais severo e estrutural para permitir a retomada do crescimento. As medidas para viabilizar um maior superavit primário neste ano não superam os graves desafios do país, apenas adiam o enfrentamento dos problemas, que se tornam ainda mais graves.

Certamente, ocorreu um grave descontrole dos gastos públicos a partir de 2009. Para além dos problemas de curto prazo, porém, existe um desequilíbrio estrutural. Desde 1991, a despesa pública tem crescido a uma taxa maior do que a renda nacional. […]

O grave problema fiscal do Brasil reflete a concessão desenfreada de benefícios incompatíveis com a renda nacional. Prometemos mais do que temos, adiando o enfrentamento das restrições existentes. Deixamos para as próximas gerações as contas a serem pagas, porém o futuro tem o inconveniente hábito de se tornar presente.

O artigo resume bem alguns dos principais problemas estruturais da economia brasileira, sem deixar de citar os desafios conjunturais – causados, na opinião do trio, pelas políticas adotadas após a crise de 2008–09.

Merecia, porém, uma edição mais cuidadosa, com alguns gráficos e argumentação mais organizada (o texto fica um pouco bagunçado na metade final).

A íntegra, um pouco mais comprida, pode ser lida aqui.

Olá, mundo

Este é o Nota Bene.