Sobre ‘negacionismo’ e ‘negacionista’

Segundo o Houaiss 1, a palavra “negacionismo” começou a ser usada no Brasil em 13 de julho 1993, na Folha de S.Paulo. Ela aparece no texto “Autor escreve sobre ‘negação dos fatos’” (recorte), de Bernardo Carvalho, sobre Paul Virilio.

Voltou a aparecer em abril de 1994 e, depois, apenas em março de 2005.

Em O Estado de S. Paulo, ela foi usada pela primeira vez em 23 de abril de 1996, no texto “O venerável Abade Pierre põe Holocausto em dúvida” (recorte), de Gilles Lapouge.

Veja abaixo o número de vezes em que a palavra foi usada em cada jornal:

Década Folha Estadão
1990 2 2
2000 10 1
2010 58 20
2020 4 18
Total 74 41

Ainda segundo o Houaiss, “negacionista” apareceu pela primeira vez em 9 de junho de 1996, também na Folha.

Curiosamente, a edição eletrônica 3.0 para Windows inclui “negacionista”, mas não “negacionismo”.

Nenhuma das duas palavras está no Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa.


  1. O Houaiss merecia um site bem melhor. Sua experiência de uso é horrível. Sempre me irrito ao usá-lo. Sempre. 

Artur Avila e o ‘negacionismo’ na ciência

Helio Gurovitz fez uma ótima entrevista com Artur Avila. Destaco dois trechos sobre negacionismo.

Nem é preciso entrar em muitos exemplos – penso logo nas vacinas – para ver que a postura anticientífica é atraente em certos meios. Por que isso acontece? Primeiro, está associado à polarização política. As pessoas escolhem seu campo a priori. Estão tão atreladas à própria posição, que a ciência que desafiá-la precisa ser descartada para continuarem a viver bem. Quando se recusam a criticar o próprio campo ideológico, isso conduz, de certa maneira, a rejeitar a ciência que apresentar uma crítica a ele. É parte da maneira como as pessoas vivenciam a política. Todo mundo na verdade está exposto a isso. É preciso reconhecer que, em qualquer lado da polarização que você esteja, filtrará as informações e rejeitará conclusões científicas contrárias. Não é questão de dizer que todo mundo é igual. Mas, quando a gente faz uma crítica – e deve sempre criticar – a posições como o terraplanismo, é sempre bom ver se não se dispõe a fazer o mesmo quando a crítica vier na sua própria direção. O discurso político é muito raso para comportar a complexidade de uma discussão científica. Inclusive porque a ciência não é cheia de certezas. Lidar com a nuance e com a maneira como ela se desenvolve, com margens de erro, é complicado. Quando vira um Flá-Flu, quando você fica torcendo pra sair o resultado que quer, não olha para a ciência como uma fonte de saber, mas só para tentar justificar ações que já tinha decidido anteriormente.

[…]

A gente tem muita incerteza, principalmente nessa situação em que faz ciência em tempo real. Não é o tempo natural da ciência. Pessoalmente, reservo a palavra “negacionismo” para situações bem estabelecidas. Há tanta incerteza no momento, que usá-la muito cedo acaba por associá-la a situações mais claras, em que o consenso científico é muito maior. Não é que eu tenha dúvidas da ciência, não tenho nenhuma. Mas é que isso encoraja o pessoal a reagir de maneira mais virulenta. A ciência, neste momento principalmente, aparentará oscilar. Uma hora os cientistas recomendarão uma coisa, outra hora podem recomendar o contrário. Não é bom usar prematuramente essa terminologia, numa situação em que a coisa pode mudar. O problema de quem adota uma posição inerentemente anticientífica é que, por acidente completo, de repente pode estar certo por acaso. Se as recomendações se tornarem o contrário do que eram, não quer dizer que a ciência estava errada. A ciência foi apenas ampliando o conhecimento. Usando essa terminologia, porém, as pessoas se sentirão encorajadas a fazer interpretações de que a ciência na verdade tem uma função política. É por isso que tento evitar. É um vocabulário que pode encorajar o lado anticientífico. A gente tem que aceitar a incerteza e dizer que existe uma gama de possíveis conclusões a partir do nosso conhecimento atual. E guardar o negacionismo para situações mais claras, como o Holocausto, bem diferente de questões que os cientistas ainda debatem. É preciso evitar o excesso no uso de linguagem, porque a gente pensa que está ajudando a clarificar uma coisa, mas pode ter o efeito inverso: levar as pessoas a duvidar mais ainda, porque as incertezas evidentes podem dar a impressão de que a ciência não é uma coisa séria.

Perfeito. Muitos “divulgadores científicos” e seus seguidores deveriam prestar especial atenção ao segundo trecho, sobre o problema de usar a palavra “negacionismo”. É necessário ter muito cuidado não apenas ao apurar a produção científica, mas também ao comunicá-la.

As colunas da ‘Folha’ (de novo)

Flavia Lima, ombudsman da Folha, fala sobre o texto de Hélio Schwartsman em que ele diz torcer pela morte de Jair Bolsonaro:

Essa liberdade é louvável e precisa ser ampla. Helio Beltrão segue dizendo o que pensa, mas, para lembrar de outro exemplo, Anderson França, colunista polêmico que escrevia no site, durou menos de um ano no jornal. Qual é a regra?

Adoraria saber a regra. Flavia poderia ter perguntado para os responsáveis pela escolha dos colunistas, mas talvez tenha evitado porque a resposta provavelmente seria vaga e desinteressante.

(Não resisto: Helio Beltrão pensa?)

De modo legítimo, a Folha busca audiência. Com os seus mais de mil comentários no site (um texto popular costuma ter entre cem e 300 comentários), a coluna a entrega. Mas briga entre famosos também dá cliques, sem que o saldo em termos de credibilidade seja significativo para o jornal.

O que ela quis dizer com “saldo [significativo] em termos de credibilidade”? Essa parte ficou ambígua. De qualquer maneira, para mim, noticiar briga irrelevante entre famosos diminui, sim, a credibilidade do veículo – mais do que qualquer texto ruim de Hélio Schwartsman.

Um outro aspecto é que a coluna aproxima as páginas do jornal do vale-tudo das redes sociais, universo em relação ao qual a Folha e toda a imprensa buscam se diferenciar.

Concordo. Quando a Folha deu espaço a Kim Kataguiri, no já longínquo 2016, escrevi:

Talvez leitores menos qualificados, que se “informam” loucamente pelo Facebook (onde também vociferam suas opiniões), tenham gostado da decisão da Folha. Faz sentido. A contratação de Kataguiri como colunista é um claro exemplo da contaminação do jornalismo pelas redes sociais. O “textão de Facebook” ganhou espaço como coluna de jornal.

[…]

Não sei bem quem ganha com essa baixaria toda. Mas certamente o jornalismo perde.

Poultry processing in the United States

Here are two videos about it:

I found the first video in this nice article by Nicholas Kristof about “what our great-grandchildren will find bewilderingly immoral about our own times — and about us.”

YouTube suggested me the second one.

P.S. I was going to stop writing in English (it is hard enough to write in Portuguese), but then I saw that more than 20 per cent of my visitors are from the United States. Now I don’t know what to do.