Demonização da divergência

Marcos Lisboa e Carlos Eduardo Gonçalves, no Nexo:

A heterodoxia prefere a propaganda ao debate embasado pela evidência. Diagnósticos e propostas de política econômica são denunciados por, supostamente, refletirem interesses indevidos.

O próprio Lisboa chamou a atenção para esse problema em outro texto no Nexo. Mas agora dá nomes aos bois (ou, como diz o título de seu texto, aos “porcos” — referência à recente polêmica protagonizada por Alexandre Schwarsman e Luiz Gonzaga Belluzzo).

Os argumentos contra e a favor da independência do Banco Central (há ambos!) foram substituídos por uma propaganda com banqueiros roubando a comida de uma família de trabalhadores.

Embora a campanha do PT mereça ser execrada por ter usado essa imagem, acho que há algum exagero nessa frase. Ela sugere que, se o PT não tivesse sido tão apelativo, seria possível ter uma boa discussão sobre a independência do Banco Central durante as eleições. Acho muito improvável, dado o ambiente belicoso de então — tanto que a campanha foi suja de todos os lados. Talvez o PT tenha pegado mais pesado (“méritos” de João Santana), mas a verdade é que os principais partidos pouco contribuíram para uma campanha limpa.

O grande problema é que as discussões continuam a ser desqualificadas mesmo em época não eleitoral, quando deveria ou poderia haver um ambiente propício para isso.

Existem economistas que defendem teses heterodoxas com base em evidências. Dani Rodrik aponta para a eficácia de políticas industriais e intervenções públicas em certos setores. Richard Thaler e outros argumentam que a hipótese de racionalidade não parece adequada em algumas circunstâncias, como no caso da poupança ou da aquisição de imóveis. Paul Krugman aponta que em um mundo de comércio intra-indústria e com concorrência monopolística, o laissez-faire pode não ser a melhor escolha. Barry Eichengreen tem evidência de que as liberalizações dos fluxos de capital causam mais danos que benefícios. Joseph Stiglitz, na sequência de muitos economistas, alerta para diversas falhas de mercado. Thomas Piketty e Emmanuel Saez argumentam em favor de impostos mais elevados, usando dados e a boa estatística para sugerir que a oferta de trabalho dos mais ricos é menos sensível à tributação na margem do que pensávamos. E così via.

No mundo acadêmico internacional, economistas debatem com base na análise dos dados disponíveis. A demonização da divergência pode agradar à retórica, ainda que não à política econômica. No Brasil, prefere-se a escolástica ligeira e o estratagema 34 de Schopenhauer ao debate sobre a evidência e o telescópio do herege.

Muito bom. Mas cabe ressaltar que essa demonização não é exclusiva dos heterodoxos. O discurso agressivo de alguns economistas ortodoxos também pode ser visto como demonização, mesmo quando fortemente baseado em evidências. Apresentar argumentos melhores não significa ter passe livre para demonizar o outro.

Lisboa, em especial, parece comportar-se de maneira exemplar em meio a essas discussões. Mas falta um pouco de autocrítica — de todos os lados — nesse tipo de debate.

‘Brazil’s fall’

Com o título acima, Dilma Rousseff estampa a capa da primeira edição da Economist em 2016. A publicação traz dois textos sobre o Brasil — um editorial e uma reportagem.

O editorial faz um resumo dos problemas do país e sugere medidas para amenizá-los. A revista acredita que Nelson Barbosa pode ter mais sucesso que Joaquim Levy em sua empreitada (por motivos semelhantes aos mencionados por Bernardo Guimarães), mas não demonstra otimismo em relação à realização das reformas necessárias.

It is therefore hard, despite Mr Barbosa’s advantages, to feel optimistic about the prospects for deep reform. Voters hold politicians in contempt. The opposition is bent on impeaching Ms Rousseff, a misguided battle that could dominate the political agenda for months. The PT has no appetite for austerity. Achieving the three-fifths support in both houses of Congress needed for constitutional reforms will be a tall order.

A reportagem basicamente aprofunda os pontos do editorial. Entre outras coisas, cita crises passadas, o papel da Constituição de 1988 nos problemas estruturais, a possibilidade de dominância fiscal e as dificuldades políticas.

They [prominent economists] forecast a “muddling-through” in which Ms Rousseff holds on to her job, Congress passes a few modest spending cuts and tax rises, including a financial-transactions levy, the Central Bank continues to fight inflation, the cheap real boosts exports and investors don’t panic. After three years of this, the theory goes, an electorate fed up with stagnation and sleaze will give the PSDB a clear mandate for change. […]

But the fact that muddling through may be possible does not mean it is assured. It hinges on the hope that politicians come to their senses more quickly than they have done in the past (witness the lost decade begun in the 1980s). It also assumes that Brazil’s penchant for consensus will hold its people back from social unrest on the sort of scale that topples regimes in other countries. The anti-government protests of 2015 were large, drawing up to a million people in a single day. But they were middle-class affairs which took place on sporadic Sundays, causing Ms Rousseff more annoyance than grief. As wages sag and unemployment rises, though, tempers could flare. If they do there will be every chance of a facile populist response that does even deeper economic damage.

Assim como o ensaio de Kenneth Maxwell publicado em agosto na New York Review of Books, a matéria da Economist oferece uma boa síntese dos recentes acontecimentos e da atual situação do Brasil. São ótimos textos para, por exemplo, enviar a amigos ou conhecidos estrangeiros que queiram se informar um pouco sobre o país.

[Atualização] O Estadão traduziu a reportagem da Economist.

Alexandre Schwartsman versus Luiz Gonzaga Belluzzo: Um Choque-Rei sem vitoriosos

Resumo comentado com os principais textos da polêmica discussão

No final do ano passado, eu inocentemente imaginava que veria em 2015 um abrandamento, ainda que leve, dos ânimos que tanto se exaltaram durante a campanha eleitoral. Pelo visto, a coisa só piorou.

Exemplo cabal disso é o ponto a que chegou o debate entre economistas brasileiros sobre a situação atual do país. A discussão, útil e necessária, descambou para uma baixaria deplorável, que praticamente joga no lixo qualquer contribuição que ela poderia gerar.

O são-paulino Alexandre Schwartsman é, hoje, um dos mais proeminentes nesse debate — seja por seu conhecimento, que deve ser respeitado, seja por sua arrogância, que deveria ser ignorada. Deveria. Mas, às vezes, é impossível. Como foi há algumas semanas, quando, em sua coluna na Folha, ele escreveu um artigo recheado de ofensas ao palmeirense Luiz Gonzaga Belluzzo e outros.

Abaixo, faço um resumo comentado do que aconteceu, usando como fio condutor os principais textos que surgiram na discussão.
Continue lendo “Alexandre Schwartsman versus Luiz Gonzaga Belluzzo: Um Choque-Rei sem vitoriosos”

O PT e a década perdida

Vinicius Carrasco e João Manoel Pinho de Mello, no Nexo:

Anos depois escrevemos o artigo “A Década Perdida: 2003 – 2012”. Nele, respondemos uma questão distinta mas parecida: o Brasil foi bem sob o comando do PT no governo federal? Quase todos dirão: claro! Crescemos mais do que na década anterior, e com inflação controlada. A pobreza e a desigualdade caíram e milhões foram incorporados ao mercado de consumo. Resposta simples para uma pergunta tola. Por que então dizemos que a década foi perdida? Porque a resposta simples é, na verdade, simplista. […]

O desempenho de um país pode ser avaliado em várias dimensões. Comecemos com o PIB per capita. Encontramos um país “gêmeo” cuja renda antes de 2003 era parecida com o Brasil, tanto no nível quanto na trajetória, mostrando o êxito do método. O “gêmeo”, talvez contra-intuitivamente, tem pouco de América Latina. A Turquia aparece com grande peso. Por quê? Porque é um dos poucos países grandes e industrializados que tinha renda parecida com a brasileira antes de 2003.

Depois de 2002 o Brasil cresceu mais do que no período imediatamente anterior. Mas o país “gêmeo” também cresceu ainda mais. Tendo enfrentado condições externas menos favoráveis, cresceu 21% mais do que o Brasil entre 2003 e 2015. No “gêmeo”, a produtividade, medida pelo PIB por pessoa empregada, dobrou (até 2012); no Brasil, ficou parada.

O Brasil, em relação ao gêmeo, investiu menos, adicionou menos valor na indústria e teve inflação um pouco mais alta; perdeu competitividade, avançou menos em pesquisa e desenvolvimento, piorou sensivelmente a qualidade regulatória, e foi mal em quase todos os setores importantes. No social, a desigualdade de renda, a subnutrição e a pobreza caíram, mas em linha com o “gêmeo”. Educação e saúde andaram em linha, apesar de termos gasto mais; a segurança pública foi mal. No mercado de trabalho, o desempenho foi misto: o salário mínimo real aumentou tanto quanto; o salário médio real aumentou menos. A principal conquista foi no emprego: aumentou a massa salarial no PIB através da incorporação de mais pessoas na força de trabalho e da queda no desemprego. Ou seja, o crescimento veio de mais gente trabalhando, e não de maior produtividade.

Terminamos onde começamos, sem conseguir responder a pergunta do Nicolini [quanto do crescimento brasileiro durante os anos Lula é explicado pelo boom de commodities e pela facilidade de financiamento externo?]. Mas aprendemos que, à luz dos nossos pares, crescemos pouco e assentamos bases frágeis para o futuro. Nesse sentido, desperdiçamos a década.

Os dois economistas costumam escrever bons posts no blog Leis da Oferta.

O otimismo de Bernardo Guimarães com Nelson Barbosa

Bernardo Guimarães foi uma das melhores novidades do ano no jornalismo brasileiro. Tem conhecimento, escreve bem e parece ser intelectualmente honesto. É muito difícil encontrar pessoas que unam essas três qualidades. A Folha acertou em cheio.

Em seu último texto, intitulado “Nelson Barbosa será melhor do que se espera”, diz:

No momento, me parece que Nelson Barbosa tem até mais chance que Joaquim Levy de promover algum ajuste e colocar o país em um rumo um pouco melhor. […]

Porque Joaquim Levy era o estranho no ninho, a parte que não cabia no todo, por mais que ele se esforçasse para parecer o contrário. Isso gerava dois problemas: (1) era muito difícil conseguir apoio para as medidas; e (2) os eleitores não aprendiam.

Agora, com Nelson Barbosa na Fazenda, o PT não pode botar a culpa no “neoliberal infiltrado”. Economistas heterodoxos que antes se opunham às propostas de ajuste fiscal agora serão menos críticos a propostas muito parecidas.

Os eleitores, por sua vez, têm mais uma chance de aprender. Afinal, se o Nelson Barbosa quer o ajuste fiscal, é porque isso deve ser mesmo bom para o país (o efeito Nixon-vai-a-China, que eu expliquei aqui).

E me parece claro que Nelson Barbosa vai fazer o possível para ajustar as contas.

Retórica improdutiva

Marcos Lisboa, no Nexo:

Essa divergência sobre os meios mais eficazes para retomar o crescimento, no entanto, é frequentemente relatada como refletindo discordância sobre os objetivos da política econômica: alguns a favor da inclusão social; outros defendendo os interesses da elite em detrimento dos grupos mais vulneráveis. Esses relatos optam por não discutir a evidência e os argumentos, propondo apenas desqualificar aqueles de quem divergem.

Essa distorção do debate pode agradar à política, porém não colabora com o diagnóstico sobre a grave crise da nossa economia e a discussão sobre as melhores formas de superá-la.

A principal divergência entre os economistas não ocorre sobre os fins da política econômica, a retomada do crescimento e a ampliação dos ganhos sociais da última década, mas sim sobre os meios, os instrumentos de política econômica, mais eficazes para atingi-los. […]

O debate cuidadoso sobre a evidência disponível, que incorpore o resultado da pesquisa acadêmica internacional, embasada pela definição precisa dos temas em discussão e pela melhor estatística disponível, contribuiria para o enfrentamento dos difíceis desafios da nossa economia.

A retórica que desqualifica diagnósticos e propostas de política econômica, atribuindo-os a supostos interesses indevidos, apenas procura obstruir a discussão sobre os argumentos e a evidência. Nunca é demais lembrar que muitos dos que desqualificam o debate sobre o ajuste fiscal, associando-o a uma falta de preocupação com os problemas sociais, foram contrários à focalização das políticas sociais que resultou na criação do bolsa família. Na época, como agora, a opção pela retórica de ocasião.

Grifos meus.

‘A madeleine de Dilma’

Thomas Traumann, ex-ministro da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República (governo Dilma), na Folha:

A presidente da República gosta do enfrentamento, a palavra usada por ela para definir as situações de conflito. Reside aí a sua principal diferença com construtores de consensos, como Lula e Fernando Henrique Cardoso.

É no antagonismo que Dilma acredita ter vivido seus momentos mais gloriosos no Palácio do Planalto –as respostas aos protestos de junho de 2013 e as eleições de 2014.

A estratégia presidencial para repetir no processo de impeachment as superações de crise do seu primeiro mandato foi escolher um campo de batalha (o exagero de se afastar, por conta de uma manobra contábil, um presidente eleito) e um adversário (o presidente da Câmara, Eduardo Cunha). Como uma madeleine, a operação é reconfortante, mas é só memória afetiva.

Na vida como ela é, o confronto em torno do impeachment não é jurídico. A denúncia das “pedaladas” só um pretexto. Também não é uma batalha de biografias, na qual Cunha perderia logo de início. A batalha do impeachment é sobre o Brasil de 2016, 2017 e 2018.

O destino de Dilma depende mais dela mesma do que da tabulação de votos no Congresso. É dela a responsabilidade de recuperar a confiança no país, abalada pelos rebaixamentos das notas das agências de classificação de risco.

Caso a presidente consiga convencer a sociedade de que é capaz de executar uma agenda de crescimento, controle da inflação e redução do desemprego, o impeachment se dissipa por si.

Caso não consiga, a ameaça de afastamento será uma tormenta hoje e por todo o mandato.

É justo? Não, mas, como a presidente Dilma gosta de repetir, a vida não é justa.

‘Before You Accuse Me’

Aécio Neves, na Folha:

Entre o Brasil e o PT, a presidente escolheu mais uma vez o PT.

Editorial da própria Folha:

Para usar uma expressão que no passado se assestava com frequência contra o PT, o grupo capitaneado por PSDB e DEM aposta na tese do quanto pior melhor.

Bo Diddley:

Before you accuse me, take a look at yourself

Os parágrafos de ‘Grande Sertão: Veredas’, parte 2

Como disse em 14 de dezembro, entrei em contato com Ruy Castro perguntando-lhe sobre a coluna em que ele disse que “Grande Sertão: Veredas”, de Guimarães Rosa, não tem parágrafos. Alguns dias depois, recebi uma resposta muito gentil, na qual ele reconhece o equívoco e explica a confusão.

Finalmente, em 20 de dezembro, a Folha publicou a seguinte nota na seção “Erramos”:

Diferentemente do informado na coluna “Chulices e populismos”, de Ruy Castro, o romance “Grande Sertão: Veredas”, de Guimarães Rosa, é sim dividido em parágrafos. O livro não tem a divisão de capítulos.

Mas a correção, aparentemente, saiu apenas na versão impressa do jornal. E a versão online da coluna por enquanto não tem nenhuma observação sobre o erro.

É nisso que dá tomar decisões desastradas como a de acabar com a publicação dos textos da edição impressa no site do jornal.

Racial map of Brazil

Pata, an data visualization agency, made an interactive map of racial distribution in Brazil.

What you are seeing is an interactive map of racial distribution in Brazil. Through it you can see the geographic distribution, population density, and racial diversity of the Brazilian people. Each dot on the map represents one person. The location and color of the dots are based on the IBGE (Brazilian Institute of Geography and Statistics) Census 2010, available online; each color on the map represents one of race options possible in that census.

The map was created by us from Pata; the inspiration and the basis of the code used to generate the map came from Dustin Cable, a former researcher at the Cooper Center for Public Service at the University of Virginia, and author of a racial map of the United States . He, in turn, was inspired by Brandon Martin-Anderson from the MIT Media Lab, and Eric Fischer, mapmaker/programmer.

More information here.

The US racial map can be viewed on this page.

Mapa racial do Brasil

A Pata, uma agência que trabalha com visualização de dados, fez um mapa interativo de distribuição racial no Brasil.

O que você está vendo é um mapa interativo de distribuição racial no Brasil. Através dele é possível observar a distribuição geográfica, densidade demográfica, e diversidade racial do povo brasileiro. Cada um dos pontos no mapa representa uma pessoa. O local e cor dos pontos são baseados nos dados do Censo IBGE de 2010 disponível online; cada cor no mapa representa uma das opções de raça possível no referido censo. […]

O mapa foi criado por nós da Pata, a inspiração e a base do código utilizado para gerar o mapa vieram de Dustin Cable, um ex-pesquisador do Cooper Center for Public Service da University of Virginia, e autor de um mapa racial dos Estados Unidos. Ele, por sua vez, foi inspirado por Brandon Martin-Anderson do MIT Media Lab, e Eric Fischer, mapmaker/programador.

Mais informações aqui.

O mapa racial dos EUA pode ser visto nesta página.

Marcelo Figueiredo comenta em tempo real julgamento do STF sobre impeachment

O UOL tem feito uma boa cobertura do julgamento do Supremo Tribunal Federal sobre o rito do processo de impeachment de Dilma Rousseff. O destaque é a participação do advogado constitucionalista Marcelo Figueiredo.

Na maioria dos outros portais de notícia, falta um especialista no assunto para explicar e contextualizar o que ocorre no STF. Nos blogs de jornalistas, falta conhecimento e sobra opinião.

Fantasmas do racismo

Lilia Moritz Schwarcz, no Nexo:

Em 2009, o Brasil registrou mais de 191 milhões de habitantes, um aumento de 26% se comparado à população em 1995. Dentre as novidades do censo, uma delas chamava particular atenção: o aumento proporcional da população negra (preta e parda) no país. Em 1995, 44,9% dos brasileiros declaravam-se negros; em 2009 este percentual subiu para 51,1%, enquanto a população de brancos caiu de 54,5% para 48,2%.

Esta elevação não decorre, porém, do aumento da taxa de fecundidade da população negra, mas antes de mudanças comportamentais e na forma como essas pessoas têm se autodeclarado. Ou seja, desde que no final dos anos 1970 assistimos à emergência de uma agenda de direitos civis – pautada no direito à diferença na igualdade – brasileiros têm mudado seus critérios de autodefinição.

Se tal fato permite prever uma maior flexibilidade nos padrões de classificação, já outros resultados sinalizam para uma persistente e incômoda exclusão racial.

Os fantasmas:

De um lado, essa mescla gerou uma sociedade definida por uniões, ritmos, artes, esportes, aromas, culinárias e literaturas realmente misturados. De outro, produziu um país que delega para a polícia o papel de performar a discriminação, como nos atos de intimidação – as famosas batidas policiais –, os quais selecionam sempre mais negros do que brancos.

Continuamos combinando inclusão cultural com exclusão social – mistura com separação – e carregando grandes doses de silêncios e não ditos. Por isso mesmo, não basta culpar o passado e fazer as pazes com o presente; o qual, aliás, anda repleto de passado. Toni Morrison, no romance Amada, conta a história da Casa 124 que era habitada por duas mulheres e seus fantasmas vindos do passado: violências, estupros e mortes dos dias de escravidão.

Paradoxalmente, os fantasmas, que insistiam em retornar, eram o que mais se pareciam com a danada da realidade. Nós brasileiros andamos mesmo perseguidos pelo nosso passado, e nos dedicando, ainda, à tarefa de expulsar fantasmas que, teimosos, continuam a assombrar.

O debate sobre a reorganização das escolas em São Paulo

Guilherme Lichand, na Folha:

Quem está certo, afinal? Resposta curta: não sabemos. Esse é o chamado “problema fundamental da inferência”: não observamos o mundo contrafactual em que tudo é igual, exceto a política que queremos avaliar.

A maneira mais segura e controlada de aprender a resposta seria “pilotando” a iniciativa: algumas escolas seriam sorteadas para serem reorganizadas (“grupo de tratamento”), enquanto outras não (“grupo de controle”). Em seguida acompanharíamos ao longo do tempo variáveis como frequência escolar, notas e evasão de todos os alunos, comparando aqueles cujas escolas foram reorganizadas com os demais.

Também monitoraríamos o tempo de deslocamento de casa até a escola, e as despesas da família com transporte.

[Atualização – 15/12] A Economist desta semana tem matéria e editorial sobre estudos randomizados controlados (RCT, randomised controlled trial).

Da matéria:

RCTs are being used more often to assess social policy in America, France and Scandinavia. In Britain there has been a flurry evaluating educational innovations—including one called “Teensleep”, in which the treatment group starts school at 10am (the idea is that they will learn more after a lie-in). Often the results are underwhelming, though no less important for that. A randomised experiment in New York showed that paying all teachers in a school more if their pupils do better in tests does not raise attainment.

But the emerging world remains far ahead. In Britain and America RCTs are mostly used to test minor policy tweaks, not fundamental reforms. In poorer countries, by contrast, they are being used to design welfare systems and measure corruption.

Do editorial:

To live in a modern democracy is to be experimented on by policymakers from cradle to grave. Education is intended to mould an upstanding future citizen; a prison sentence, to reshape someone who has gone astray. But without evidence, those setting policy for schools and prisons are little better than a doctor relying on leeches and bloodletting. Citizens, as much as patients, deserve to know that the treatments they endure do actually work.

Os parágrafos de ‘Grande Sertão: Veredas’

Em sua coluna na Folha, Ruy Castro escreveu o seguinte:

Há pouco, caiu-me às mãos uma edição recente do “Grande Sertão: Veredas”, de Guimarães Rosa. Abri-a e gelei. Rosa concebeu seu romance num bloco maciço, de 600 páginas, sem parágrafos, como se a fala do narrador Riobaldo fosse um novelo sem fim, e assim o publicou. As pausas do original estavam na música do texto.

Pois esta edição da Nova Fronteira esquartejou-o em 1.800 parágrafos. A exemplo do que vão fazer com Shakespeare, por que também não o “traduzem” para o português?

Achei estranho ele dizer isso, pois não conheço edição de “Grande Sertão: Veredas” sem parágrafos (ou com apenas um). Entrei em contato com Ruy e com a Nova Fronteira, mas não obtive resposta.

Em um artigo na Granta, Daniel Galera também diz que o livro de Guimarães Rosa não tem parágrafos.

É curioso. Aparentemente, a primeira edição de “Grande Sertão”, da editora José Olympio, já tinha o texto dividido em parágrafos. Eles também aparecem em reproduções de rascunhos do livro datilografados por Rosa, como as exibidas em uma exposição de 2006 no Museu da Língua Portuguesa, em São Paulo.

[Atualização – 22/12] Os parágrafos de ‘Grande Sertão: Veredas’, parte 2